Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: nova york

Jota Quest e Nile Rodgers vão tocar juntos em Nova York

jota quest-400x

Por Fabian Chacur

A parceria entre o Jota Quest e Nile Rodgers teve início em 2013, quando o genial guitarrista, compositor, produtor e líder do seminal grupo Chic participou do álbum Funky Funky Boom Boom, da banda mineira, na faixa Mandou Bem, além de ter uma de suas composições, Waiting For You, gravada por eles. A colaboração prosseguiu em 2015 no álbum Pancadélico, com o astro americano marcando presença em Blecaute. Agora, chegou a hora de eles dividirem um palco juntos pela primeira vez.

O encontro vai ocorrer neste domingo (4/9) em Nova York no Brasilian Day 2016, evento anual realizado naquela cidade americana em que consagrados artistas brasileiros se apresentam ao vivo. Rogério Flausino e seus colegas estão escalados para o show, e Nile Rodgers será o seu convidado especial, mostrando sua maestria, seus belos links de guitarra e sua incrível capacidade rítmica. Um belo prêmio para os fãs da banda que moram em Manhattan e arredores.

Quem está em outros lugares, no entanto, poderá ver o show, que será transmitido ao vivo pelo canal a cabo Multishow e também pelo portal G Show. A Globo Internacional também exibirá a gig para mais de 160 países. Além da parceria com o autor de hits como Le Freak, Good Times, Everybody Dance e tantos outros, o Jota Quest dará uma geral em seus maiores sucessos, com aquela levada para cima e descomplicada.

Blecaute– Jota Quest, Nile Rodgers e Anitta:

Mandou Bem– Jota Quest e Nile Rodgers:

Waiting For You– Jota Quest:

Joan Baez comemora 75 anos com show repleto de astros

joan baez-400x

Por Fabian Chacur

Nos últimos meses, tivemos de suportar a perda de grandes nomes da história da música. Como a existência humana é composta pela dor das perdas, mas também pela alegria da manutenção da vida, também cabe celebrar quem prossegue aqui, firme, junto conosco. E este é o caso da genial cantora e musicista americana Joan Baez, que no dia 9 de janeiro próximo passado comemorou 75 anos. Curiosamente, um dia depois do aniversário de 69 anos de David Bowie e um dia depois da morte prematura do roqueiro britânico. Cada dia tem sua sentença.

Como forma de comemorar essa data redonda de vida de uma das artistas mais importantes da história da música folk, foi realizado no último dia 27 de janeiro (uma quarta-feira) um show no badalado Beacon Theatre, em Nova York, no qual talentosos amigos e parceiros de Baez marcaram presença para cumprimenta-la. Segundo Frank Scheck, em matéria publicada no site americano da revista Billboard, o espetáculo esteve à altura da homenageada.

O acompanhamento instrumental foi feito sempre em esquema intimista, com no máximo dois músicos se incumbindo dessa função, de cada vez, seguindo o padrão do maravilhoso show feito por ela aqui no Brasil em março de 2014 (leia a resenha de Mondo Pop aqui). Em alguns momentos, era só ela no palco, em músicas como God is God, There But No Fortune, The Night They Drove Old Dixie Down e Forever Young.

As celebridades musicais vieram de várias eras da música. David Crosby, por exemplo, marcou presença em Blackbird. Judy Collins, por sua vez, fez seu dueto com a aniversariante em Diamonds And Rust, enquanto Mary Chapin Carpenter harmonizou vocais com a homenageada em Catch The Wind. Antes de cantar com Joan a bela Hard Times Come Again No More, Emmylow Harris soltou uma frase fofa demais: “eu era uma das inúmeras mulheres que queriam ser Joan Baez”.

Paul Simon esteve em cena cantando com a aniversariante a maravilhosa The Boxer, enquanto Richard Thompson (do grupo Fairport Convention e de ótima carreira solo) brilhou em House Of The Rising Sun e She Never Could Resist a Winding Road. Também estiveram em cena Damien Rice, Jackson Browne, Mavis Staples e Nino Stern. Para quem, como eu, não teve a bênção de ver o show, um consolo: o espetáculo foi gravado pela emissora pública PBS, e será exibido em junho no programa Great Performances.

Como vários desses programas da PBS com shows gravados ao vivo saíram no formato DVD, fica a esperança. Considerada uma das artistas mais importantes e influentes da história da música pop, Joan Baez continua com sua voz densa e cativante. Tive a honra de entrevista-la para a Folha de S.Paulo em 2014 (leia aqui), uma experiência deliciosa. Detalhe: foi ela quem me ligou. Que honra!

The Boxer(live 2015)- Joan Baez:

Forever Young (live 2010)- Joan Baez:

The Night They Drove Old Dixie Down– Joan Baez:

Karen Souza mostra novo CD em pocket show em São Paulo

karen souza 5-400x

Por Fabian Chacur

Karen Souza é uma cantora nascida na Argentina e criada nos EUA e em outros países nos quais seus pais moraram. Atualmente, divide-se entre Nova York e Buenos Aires, e investe em uma carreira na qual o jazz é o tempero essencial. Para lançar no Brasil seu novo CD, Essentials II (Music Brokers), ela fará em São Paulo neste sábado (29) às 19h pocket show gratuito na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi (av. Brigadeiro Faria Lima, 2.232- piso 3).

Essentials II dá continuidade ao trabalho apresentado no álbum Essentials, no qual Karen relê clássicos do rock e do pop com arranjos jazzísticos e elementos de bossa nova. Em entrevista exclusiva via fone para Mondo Pop, ela explica que não foi difícil dar nova roupagem a músicas marcantes como Wicked Game (Chris Isaak), The Way It Is (Bruce Hornsby), Never Tear Us Apart (Inxs) e Twist In My Sobriety (Tanita Tikaram), entre outras.

“Quando você se emociona com as músicas que canta, não fica difícil fazer esse tipo de releitura. Por isso, só gravo canções de que realmente gosto e com as quais me identifico. Esse novo CD tem músicas alegres, tristes, românticas, tem bossa nova e também tentei incluir um pouco de samba no meio”.

A produção do álbum, que foi gravado nos estúdios The Orchard, em Nova York, ficou a cargo do experiente Richard Gottehrer, conhecido por seus trabalhos com Blondie, The Go-Go’s, Dr. Feelgood, Richard Hell e The Bongos. A intérprete disse que adorou trabalhar com ele.

“Richard é brilhante, aprendi muito atuando ao seu lado. Ele me treinou como me expressar, sinto que fiquei melhor enquanto cantora após trabalharmos juntos”, elogia.

A primeira oportunidade que Karen Souza teve de cantar no Brasil ocorreu em 2009 no Teatro Bradesco, e ela guarda ótimas recordações daquela primeira vez. Agora, ela fará um pocket show no melhor estilo voz e violão, no qual mostrará músicas do novo CD e também outras dos seus trabalhos solo anteriores, Essentials e Hotel Souza. Ela voltará ao nosso país para shows com o seu grupo em março.

Antes de mergulhar no universo jazzístico, Karen participou de coletâneas de música eletrônica. “Alguns músicos de jazz ouviram essas gravações e me disseram que eu tinha todo o perfil para cantar jazz. Brinco que esse estilo musical é que me escolheu, não fui eu quem o escolhi”, relembra ela, que se diz fã de Astrud Gilberto, Billie Holiday e Louis Armstrong, entre outros.

Seus planos para o futuro incluem a gravação de um DVD registrando um de seus shows e também um álbum incluindo standards do jazz e da bossa nova. Em janeiro, ela fará quatro shows no Japão, outro país no qual seu trabalho possui ótima aceitação. Neste domingo (30), Karen se apresentará no Rio, na Livraria Travessa (Shopping Leblon).

Wicked Game– Karen Souza:

Twist In My Sobriety– Karen Souza:

The Way It Is– Karen Souza:

Paul McCartney grava com Mark Ronson

Por Fabian Chacur

Se aquela antiga frase diz que “a vida começa aos 40”, Paul McCartney parece acreditar que ainda tem uns 30 anos de idade, se tanto. O ex-beatle, que completou 70 anos no dia 18 de junho, mostra-se mais ativo do que nunca.

Segundo o site do New Musical Express, excelente e tradicional publicação inglesa especializada em música, o ex-beatle passou boa parte da última semana gravando em um estúdio em Nova York.

A novidade fica por conta de ele aparentemente ter feito isso ao lado do badalado produtor Mark Ronson, que se consagrou ao ganhar o Grammy de 2008 como melhor produtor por seu trabalho em Back To Black, de Amy Winehouse. Desde então, ele esteve ao lado de Duran Duran, Kaiser Chiefs e Rufus Wainwright, entre outros.

Segundo as fontes do site inglês, os dois se reuniram com o intuito de ver o que conseguiriam fazer juntos, e se a dupla tinha uma química bacana.

Para quem não sabe, o produtor é filho do saudoso Mick Ronson, guitarrista que se tornou famoso como integrante da célebre banda Spiders From Mars, de David Bowie, participando de discos clássicos como The Rise And Fall Of Ziggy Stardust And The Spiders From Mars (1972) e Alladin Sane (1973).

Não satisfeito, McCartney pegou um avião, viajou e ainda participou, neste sábado (14), do show que Bruce Springsteen realizou em Londres como parte do festival Hard Rock Calling.

Macca e The Boss tocaram juntos I Saw Her Standing There e Twist And Shout, e pretendiam fazer até mais, quando a direção do evento resolveu cortar o som do show com os dois ainda a mil por hora. Coisa feia! O show de Springsteen durou mais de três horas, como de praxe, e arrebatou o público presente.

Something, com Paul McCartney, ao vivo no Rio em 2011:

Rod ganha jogo na experiência em DVD ao vivo

Por Fabian Chacur

Rod Stewart é sem sombra de dúvidas um dos melhores cantores de rock de todos os tempos, desde quando integrou os grupos Jeff Beck Group e Faces, nos anos 60 e 70, e em sua produtiva carreira solo.

Após viver uma fase nada inspirada nas paradas de sucessos entre 1995 e 2001, ele voltou a vender milhões de discos interpretando standards da música americana, guiado pela batuta do executivo Clive Davis, o mesmo que também recuperou Carlos Santana.

Para felicidade geral de quem o curte pela faceta rock and roller, o cara lançou em 2006 Still The Same…Great Rock Classics, álbum no qual releu com categoria clássicos roqueiros de viés romântico, após quatro álbuns seguidos dedicados aos standards.

Como forma de divulgar esse trabalho, Rod The Mod fez no dia 9 de outubro de 2006, no Nokia Theatre Times Square, em Nova York, um show que chega ao formato DVD (e também blu-ray) pelo selo NFK com o título Live At Times Square.

Acompanhado por excelente banda de apoio, o astro mostra na primeira metade do show 9 músicas do álbum.

Entre elas, temos Have You Ever Seen The Rain (Creedence Clearwater Revival), Fooled Around And Fell In Love (Elvin Bishop), Still The Same (Bob Seger) e It’s a Heartache (Bonnie Tyler), entre outras.

A constatação é triste: se no estúdio dá para dar uma disfarçada bacana, ao vivo o intérprete infelizmente não tem mais aquele vozeirão rouco que tanto emocionou os fãs nesses anos todos.

Atualmente, ele administra o que lhe restou de potência vocal com carisma, jogo de cintura e categoria.

Isso fica mais evidente quando ele investe, na segunda parte do DVD, em clássicos de seu próprio songbook como Forever Young, A Reason To Believe, You’re In My Heart e Maggie May.

Mesmo assim, não deixa de ser bem legal acompanhar Stewart nesse show, registrado com ótima qualidade de aúdio e vídeo.

Uma última lembrança: quando lançada, lá pelos idos de 1978, It’s a Heartache era tida pelos ouvintes como o novo sucesso de Rod Stewart, tal a semelhança da voz da cantora Bonnie Tyler com a dele.

Foi bem divertido, portanto, vê-lo regravar essa canção. E ficou bacana!

It’s a Heartache, ao vivo, com Rod Stewart:

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑