Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: rock britânico (page 1 of 7)

Jamie Cullum vence o importante prêmio Ivor Novello pela 1ª vez

jamie cullum ivor novello

Por Fabian Chacur

Um dos prêmios mais prestigiados da cena musical britânica e mundial é o Ivor Novello. Criado em 1956, teve como vencedores nomes como John Lennon e Paul McCartney, Adele, Bryan Adams, David Bowie, Eric Clapton, Elton John, Phil Collins e inúmeros outros desse mesmo alto calibre. Pois Jamie Cullum, figura frequente aqui em Mondo Pop (leia mais sobre ele aqui), é outro nome bacana a ser inserido na lista de vencedores, na categoria “melhor canção em termos de melodia e letra”.

A canção que proporcionou ao cantor, compositor e musico britânico o cobiçado troféu é The Age Of Anxiety, lançada em 2019 como parte do álbum Taller. Trata-se de uma boa amostra do que este ótimo artista concretizou em seus mais de 20 anos de estrada. Ele deu a seguinte declaração, após saber de sua vitória, em comunicado enviado à imprensa por sua assessoria de imprensa:

“Estou muito orgulhoso e feliz por receber este prêmio. Tenho me empenhado nisso há algum tempo e nem sempre fui levado a sério como compositor. Neste ponto da minha carreira, receber agora esse prêmio para esta música, na qual eu acredito ferozmente, me parece particularmente especial. Usei nela todo o meu conhecimento e amor pela escrita de música, que construí ao longo dos anos, e estou muito feliz que ressoou nas pessoas e em vocês, da Ivors Academy”.

The Age Of Anxiety (clipe)- Jamie Cullum:

David Bowie em disco ao vivo digital da sua turnê de 1997

bowie album ao vivo capa-400x

Por Fabian Chacur

Mais um álbum ao vivo de David Bowie está disponível nas plataformas digitais via Warner Music, dando prosseguimento a uma série de lançamentos nesse formato com material registrado em diversas fases da carreira do saudoso artista britânico. LIVEANDWELL.COM saiu originalmente em tiragem limitada em 2000 e disponibilizado apenas aos assinantes da Bowienet. São 12 faixas gravadas ao vivo em Nova York, Rio de Janeiro, Amsterdam e Reino Unido em 1997 durante a turnê de lançamento do álbum Earthling (1997).

Os registros flagram o autor de Space Oddity no auge de sua fase eletrônica, incluindo cinco músicas do álbum Earthling e cinco do trabalho anterior, Outside (1995). Duas faixas saíram antes em um maxi-single de 12 polegadas e creditadas ao The Tao Jones Index, nome com o qual Bowie e sua banda se apresentaram de surpresa em tendas dedicadas à dance music em festivais. São elas Pallas Athena (do álbum Black Tie White Noise, de 1993) e V-2 Schneider (do álbum Heroes, de 1977, única música não lançada nos anos 1990).

Aqui está a escalação do timaço que interpreta com vigor e categoria (e com excelente qualidade de áudio) as 12 faixas deste excelente álbum ao vivo: David Bowie (vocais, guitarra, saxofone), Zachary Alford (bateria), Gail Ann Dorsey (baixo, vocais, teclados), Reeves Gabrels (guitarras, sintetizadores, vocais) e Mike Garson (piano, teclados, sintetizadores).

Eis as faixas de LIVEANDWELL.Com :

1 – I’m Afraid Of Americans (Radio City Music Hall New York, 15th October, 1997) *
2 – The Hearts Filthy Lesson (Long Marston, Phoenix Festival, 18th July, 1997) x
3 – I’m Deranged (Amsterdam, Paradiso, 10th June, 1997) x
4 – Hallo Spaceboy (Rio de Janeiro, Metropolitan, 2nd November, 1997) x
5 – Telling Lies (Amsterdam, Paradiso, 10th June, 1997) *
6 – The Motel (Amsterdam, Paradiso, 10th June, 1997) x
7 – The Voyeur Of Utter Destruction (As Beauty) (Rio de Janeiro, Metropolitan, 2nd November, 1997) x
8 – Battle for Britain (The Letter) (Radio City Music Hall New York, 15th October, 1997) *
9 – Seven Years In Tibet (Radio City Music Hall New York, 15th October, 1997) *
10 – Little Wonder (Radio City Music Hall New York, 15th October, 1997) *
11 – Pallas Athena (Amsterdam, Paradiso, 10th June, 1997) y
12 – V-2 Schneider (Amsterdam, Paradiso, 10th June, 1997) z

* versões de estúdio são do álbum Earthling (1997)
x versões de estúdio são do álbum Outside (1995)
y versão de estúdio é do álbum Black Tie White Noise (1993)
z versão de estúdio é do álbum Heroes (1977)

Hallo Spaceboy (Live from Rio de Janeiro, Metropolitan, 2nd November, 1997)

The Rolling Stones a mil por hora mesmo durante uma pandemia

the rolling stones-400x

Por Fabian Chacur

Para uma banda com inacreditáveis 58 anos de vida, os Rolling Stones estão esbanjando energia. Após sua marcante participação no festival virtual One World Together At Home no último dia 18, no qual fizeram uma inesquecível performance com o clássico You Can’t Always Get What You Want (veja aqui), a banda disponibilizou nesta quinta (23) o clipe de uma canção inédita. Das boas, por sinal.

Trata-se de Living in a Ghost Town. A música foi composta e teve suas bases gravadas em 2019, mas Mick Jagger e sua turma alteraram a letra e a finalizaram no isolamento, de forma remota ou coisa que o valha. O clipe mescla cenas do quarteto em estúdio registradas em preto e branco mescladas com outras coloridas flagradas nas cidades vazias devido à quarentena gerada pelo novo coronavírus, algumas delas aceleradas, com belo resultado.

A letra traz como principais versos “I’m a ghost, living in a ghost town” (sou um fantasma vivendo em uma cidade fantasma, em tradução livre), refletindo de forma crua o sentimento das pessoas nesses dias tão estranhos e irreais que estamos vivenciando nessas semanas recheadas de distopia e surrealismo do mal. Com levada em andamento médio (nem balada, nem acelerada) e em tom menor, traz eco de canções como Miss You e Harlem Shuffle, com direito a um solo de gaita por parte de Mick Jagger (cantando melhor do que nunca).

Trata-se da primeira faixa inédita da banda desde 2012, quando lançaram a coletânea Grrr!, na qual incluíram as então novas Doom And Gloom e One More Shot. O último trabalho só de inéditas é A Bigger Band (2005), enquanto o mais recente é o álbum de covers Blue & Lonesome (2016).

Os Stones deveriam iniciar no dia 5 de maio sua turnê No Filter 2020, que se estenderia até o dia 9 de julho e passaria pelos EUA e Canadá, com prováveis datas por outros países na sequência. Os shows foram adiados por causa da pandemia, ainda sem nova agenda divulgada. A banda também estava preparando um novo álbum, cujo lançamento também ainda não está devidamente programado. Mas a amostra entusiasma.

Living in a Ghost Town (clipe)- The Rolling Stones:

Sting- A Free Man (2017) é um documentário bastante eficiente

a free man sting doc-400x

Por Fabian Chacur

Abordar uma carreira de mais de 45 anos como a de Sting em apenas 52 minutos parece uma tarefa difícil, senão impossível de se realizar. O diretor francês Julie Veille, no entanto, mesmo sem ter esgotado o tema, proporciona uma interessante e muito bem realizada amostra do que de melhor o grande cantor, compositor e músico britânico fez nesses anos todos. Sting- A Free Man (2017), o resultado desse projeto, está disponível na programação do Canal Bis e também em sua plataforma de streaming.

Feito para um canal de TV francês, o filme tem como base uma ótima entrevista feita com o astro da música especialmente para a atração. Também temos bons depoimentos de pessoas ligadas a ele, entre os quais o guitarrista Dominic Miller, que toca há muito tempo em sua banda de apoio e é seu parceiro em algumas composições, e também o italiano Zucchero, o baterista Vinnie Colaiuta, Will.I.am (do grupo Black Eyed Peas) e Bob Geldof. Este último surpreende pelo aparente profundo conhecimento da vida e obra do colega de profissão.

A opção foi por ter foco principal na carreira solo de Sting, passando por alto por seus anos no The Police, incluindo uma justificativa pela qual ele saiu da banda: “Não queria repetir as mesmas fórmulas, eu queria a liberdade que me seria ditada pelas músicas, e não pelo grupo”.

Sting fala sobre o desafio de contar histórias relevantes em um formato tão compacto como o das canções pop, e de como escreveu alguns de seus clássicos, como Shape Of My Heart, Desert Rose e do repertório do álbum The Soul Cages (1991), este último feito em homenagem ao seu pai.

O envolvimento do músico com questões humanitárias e ecológicas também é abordado, entre eles sua ligação com o cacique brasileiro Raoni e as mães das vítimas da ditadura de Pinochet no Chile (que rendeu a bela canção They Dance Alone). O show que fez em Toscana, Itália, no mesmo dia dos ataques às torres gêmeas em Nova York em 11 de setembro de 2001, está na pauta, assim como a inspiração das belas canções Russians e Inshala.

Pontuado por um bem selecionado material de arquivo, Sting- A Free Man equivale a uma concisa e bem realizada viagem na obra de um artista que soube como poucos trafegar por gêneros musicais como rock, reggae, jazz, pop, world music, folk etc com desenvoltura, criatividade e muito talento. E pensar que, no relato do próprio Sting, tudo começou quando ele herdou o violão de um tio que se mudou para o Canadá…

Veja o trailer de Sting- A Free Man:

Changesnowbowie é o novo lançamento digital do Bowie

changesnowbowie 400x

Por Fabian Chacur

No dia 8 de janeiro de 1997, como forma de celebrar os 50 anos completados naquela data por David Bowie, a BBC de Londres transmitiu um programa especial. Nesta atração, o astro do rock foi entrevistado por Mary Anne Hobbs, e também tivemos mensagens celebrando a data e questões formuladas por Scott Walker, Damon Albarn, Bono e Robert Smith. O conteúdo musical dessa atração agora está disponível, via Warner Music, nas plataformas digitais, com o título Changesowbowie, sem versão física prevista por enquanto.

As nove faixas tocadas naquela atração da BBC foram gravadas e mixadas previamente, em novembro de 1996, em Nova York, mais precisamente no Looking Glass Studio. Nelas, Bowie é acompanhado por Gail Ann Dorsey (baixo e vocais), Reeves Gabrels (guitarra e voz) e Mark Plati (teclados e programações). Esta seria a banda, acrescida de outros músicos, que o acompanharia em 1997 em bem-sucedida turnê que passou pelo Brasil.

O repertório investe em clássicos de seu repertório como Aladdin Sane e The Man Who Sold The World, o célebre cover de White Light / White Heat (do Velvet Underground) incluído em seus shows desde os anos 1970, e duas surpresas. São elas Shopping For Girls, do álbum Tin Machine II (1991), da banda alternativa de Bowie, a Tin Machine, e Repetition (do álbum Lodger, de 1979), que ganhou uma nova versão e um novo clipe em 1997.

Eis as faixas de Changesnowbowie:

-The Man Who Sold The World
-Aladdin Sane
-White Light / White Heat
-Shopping For Girls
-Lady Stardust
-The Supermen
-Repetition
-Andy Warhol
-Quicksand

Repetition ’97 (clipe)- David Bowie:

Jeff Lynne emociona os fãs com performance impecável da ELO

jeff lynne wembley or bust-400x

Por Fabian Chacur

Em 1970, o então desconhecido cantor, compositor e guitarrista Jeff Lynne foi convidado por Roy Wood para integrar o grupo The Move, que fazia sucesso no Reino Unido. Lynne topou, mas na verdade ele tinha mais interesse no projeto paralelo que Wood pretendia criar, uma banda que usasse instrumentos de orquestra em um contexto roqueiro, levando adiante a proposta dos Beatles na música I Am The Walrus.

Foi dessa maneira que surgiu a Electric Light Orchestra. Curiosamente, Roy Wood saiu do time em 1972, poucos meses depois do lançamento de seu álbum de estreia. A partir daí, Lynne virou o dono do projeto, e o resto é história, com direito a grandes hits, milhões de discos vendidos e shows sempre lotados.

Como forma de reverenciar esse repertório e presentear seus inúmeros fãs, o astro britânico resolveu resgatar esse bem-sucedido projeto musical, agora com o nome Jeff Lynne’s ELO, para diferenciá-lo de outros shows-tributo montados por ex-integrantes do grupo em sua fase inicial, de 1970 a 1986.

A apresentação que marcou o ápice desse retorno ocorreu no dia 24 de junho de 2017 na Wembley Arena. O registro de áudio e vídeo está na programação do canal a cabo BIS, e foi lançado no formato físico CD duplo+DVD (ou blu-ray). Ainda bem que isso ocorreu, pois temos aqui um show histórico de fato.

A gravação ocorreu com toda a pompa necessária, incluindo telões gigantes, iluminação impecável, um palco enorme e a inevitável nave espacial imensa que se tornou a marca registrada da Electric Light Orchestra em suas turnês. Um ambiente que consegue ser ao mesmo tempo retrô e futurista, outra característica básica desse projeto musical.

Como se fosse um concerto de música erudita, o show mostra uma banda com quase 15 músicos em cena reproduzindo de forma detalhada as gravações originais de cada canção, incluindo timbres dos instrumentos e vocalizações. O fato de a voz de Lynne alcançar os timbres dos anos áureos da ELO ajudou bastante na concretização desse objetivo.

O repertório do espetáculo reúne praticamente todos os seus hits, com muita energia acrescida à reprodução fiel de cada nota produzida originalmente. Ou seja, não temos aqui a execução fria e burocrática de cada canção, mas sim o oferecimento de cada uma delas como se tivessem sido lançadas ontem.

A mistura de rock, pop, folk, música eletrônica, rhythm and blues e música erudita se mostra mais azeitada do que nunca, com direito a maravilhas do porte de Evil Woman, Livin’ Thing, Last Train To London, Turn to Stone, Strange Magic e All Over The World, só para citar algumas delas.

Uma sacada incrível do registro em vídeo fica por conta de inúmeras tomadas flagrando o público presente em Wembley. Nelas, podemos observar uma platéia predominantemente de pessoas com mais de 40 anos de idade cantando, dançando e vibrando como se fossem adolescentes.

Eis uma prova cabal do poder incrível que a música tem de nos resgatar energias que pensávamos terem sido soterradas pelas dificuldades propostas a nós pela vida diuturnamente. E tudo isso proporcionado a essas pessoas por um Jeff Lynne que completaria 70 anos de idade no final daquele 2017!

As surpresas ficam por conta das inclusões de Handle With Care, maior hit do super grupo Travelling Wylburys que Lynne integrou ao lado de Roy Orbison, George Harrison, Tom Petty e Bob Dylan, e Xanadu, música da trilha do filme homônimo que a banda gravou com Olivia Newton-John no vocal principal.

O único problema para quem for ver no Canal BIS é o fato de eles terem apresentado na programação a cabo uma versão resumida para apenas 12 músicas, onze a menos do que as 23 incluídas no show completo. Não sei qual a versão está disponível no canal de streaming do BIS, mas que o melhor é curtir esse espetáculo em sua íntegra, é algo indiscutível.

ELO- Live At Wembley (cujo título na versão física é Wembley Or Bust) é a prova cabal de que o trabalho de Jeff Lynne merece ser muito mais respeitado pela crítica especializada do que na verdade é, pois se ele não inventou a roda ou revolucionou o mundo da música, certamente nos proporcionou um songbook delicioso que continua gerando prazer em quem o investiga.

Evil Woman (live)- Jeff Lynne’s ELO:

Rod Stewart: os 75 anos de um eterno rocker playboy dos bons!

rod stewart-400x

Por Fabian Chacur

Em 1983, Cyndi Lauper estourou no mundo inteiro com uma canção na qual dizia que “girls just want to get fun” (garotas só querem se divertir). Pode-se dizer que um certo cantor e compositor britânico que completou 75 anos de idade no último dia dez de janeiro seguiu, segue e provavelmente sempre seguirá esse lema, obviamente adaptado para a sua masculinidade. Alegre, às vezes inconsequente e absurdamente talentoso, Rod Stewart ainda se mantém firme nas paradas de sucesso de todo o mundo, algo que poucos conseguem.

A nova prova dessa permanência constante do roqueiro nos primeiros lugares das paradas de sucesso veio em novembro, quando seu mais recente trabalho, o álbum duplo You’re In My Heart- Rod Stewart With The Royal Philharmonic Orchestra (leia mais sobre este trabalho aqui) atingiu o topo da parada britânica, mesma façanha obtida pelo anterior, Blood Red Roses (2018).

Como explicar esses mais de 50 anos de sucesso, em um cenário musical sempre em constante mudança e no qual cantores solo, duplas e grupos surgem e somem como que por passe de mágica? Além de uma voz rouca e de assinatura própria, o cara também sempre soube não só compor boas canções como também escolher obras alheias para gravar e cantar em seus shows pelos quatro cantos do planeta.

Versatilidade foi outra arma secreta utilizada pelo autor de Maggie May e tantos outros hits. Nos dois discos que gravou com o Jeff Beck Group (Truth-1968 e Beck-Ola-1969), por exemplo, mergulhou de cabeça no blues-rock e no que pouco depois viria a ser denominado heavy metal, influenciando inúmeras bandas, incluindo o Led Zeppelin, só para citar uma delas.

Com os Faces, que integrou de 1970 a 1975 foi a vez do rock básico e ardido. Paralelamente, investia em carreira-solo misturando rock, folk e soul. Como o sucesso dos trabalhos individuais foi se tornando cada vez maior, suplantando de longe o de sua boa banda, a separação se mostrava inevitável, e ocorreu em 1975. Nesse ano, Rod assinou contrato milionário com a gravadora Warner, lançou Atlantic Crossing e virou solo de vez.

Talentoso e, por que não dizer, oportunista, procurou a partir daí sempre flertar com as tendências da moda, adaptando-se e tentando faturar com elas, mas sempre mantendo um DNA forte e próprio. Disco music, new wave, tecnopop, britpop, standards americanos, soul, o cara não se fez de rogado na hora de experimentar novos rumos. E nunca fez isso de forma pretensiosa ou grotesca.

Às vezes, acertou em cheio, em outras, errou feio, mas nunca a ponto de perder um enorme público fiel. O resultado é uma discografia com momentos memoráveis. O auge do folk-rock em Every Picture Tells a Story (1971), as baladas matadoras Sailing, You’re In My Heart e Tonight’s The Night,o flerte certeiro com a disco music em Do Ya Think I’m Sexy (com uma “ajudinha” de um certo artista brasileiro…), o funk tecnopop de Infatuation…. Ah, essa lista vai longe.

Sempre que o cara parecia que iria, enfim, sair das paradas rumo ao ostracismo, algo ocorria e o levantava. Bons exemplos são Unplugged…An Seated (1993), disco acústico que o reuniu de novo com o velho colega dos tempos de Jeff Beck Group e Faces Ron Wood. Ou a nova parceria com o grande Jeff Beck, que rendeu em 1984 e 1985 os hits Infatuation, People Get Ready, Can We Still Be Friends e Bad For You.

O ás mais valioso e importante que tirou da manga do paletó veio em 2002 com o início da série de cinco álbuns com standards do cancioneiro americano, um êxito comercial surpreendente que o levou de novo ao topo da parada americana após muito tempo. Ali, ficou a prova de que não dá para duvidar da capacidade de reação desse eterno playboy do rock, célebre por suas extravagâncias, mulheres bonitas, bagunças em hotéis e coisas do gênero.

Tudo bem que hoje ele está um pouco mais tranquilo, a ponto de fazer em 2015 uma divertida música de ninar para seu filho mais novo, a divertida Batman Superman Spiderman. Em termos musicais, no entanto, o cara está sempre pronto a fazer a trilha sonora para a festa de seus fãs e continua ativo, mesmo com a voz um pouco menos potente do que nos bons tempos, mas ainda capaz de nos divertir e encantar. Valeu, Rod The Mod! Que venha mais por aí!

Maggie May (clipe)- Rod Stewart:

Van Morrison: produtividade e inspiração em seu novo álbum

van morrison three chords & the truth-400x

Por Fabian Chacur

Em seus mais de 50 anos de carreira, o genial cantor e compositor irlandês Van Morrison sempre primou pela produtividade, com novos trabalhos surgindo com elogiável frequência. Desde que completou 70 anos de idade, no dia 31 de agosto de 2015, o cara parece que engatou uma velocidade ainda maior do que se poderia imaginar. Nesse período, o icônico artista caminha para o seu sexto álbum com o lançamento pelo selo Exile/Caroline International de Three Chords & The Truth, que no Brasil infelizmente só estará disponível nas plataformas digitais.

O trabalho conta com produção a cargo do próprio artista, que também assina todas as 14 canções incluídas nele, sendo 13 só dele e uma única em parceria com Don Black. O disco conta com as participações do badalado guitarrista Jay Berliner e do consagrado cantor Bill Medley (ex-integrante do duo The Righteous Brothers), este último em dueto na faixa Fame Will Eat The Soul.

A primeira canção divulgada do álbum, Dark Night Of The Soul, é daquelas que já nascem clássicas, tal a qualidade artística e acessibilidade que possui. O mais legal é que a voz de Van The Man, uma das mais expressivas do rock-soul-jazz, aparece em excelente forma, o que torna este álbum mais um item bacana para ser apreciados pelos fãs desse mestre da canção pop.

Eis as faixas de Three Chords And The Truth:

1. March Winds In February
2. Fame Will Eat The Soul
3. Dark Night Of The Soul
4. In Search Of Grace
5. Nobody In Charge
6. You Don’t Understand
7. Read Between The Lines
8. Does Love Conquer All?
9. Early Days
10. If We Wait For Mountains
11. Up On Broadway
12. Three Chords And The Truth
13. Bags Under My Eyes
14. Days Gone By

Dark Night Of The Soul– Van Morrison:

Rod Stewart lançará CD com a Royal Philharmonic Orchestra

rod stewart capa cd 2019-400x

Por Fabian Chacur

Como forma de celebrar os 50 anos de sua carreira-solo, Rod Stewart irá lançar no dia 22 de novembro um trabalho que tem tudo para agradar os seus milhões de fãs pelo mundo afora. Trata-se de You’re In My Heart- Rod Stewart With The Royal Philharmonic Orchestra, que será disponibilizado no Brasil pela Warner Music no formato CD duplo e também nas plataformas digitais. Acompanhado pela célebre orquestra britânica, ele dá uma geral em seus grandes hits, com duas novidades bacanas.

Uma delas é o dueto em It Takes Two, clássico do repertório de Marvin Gaye que ele regravou anteriormente com Tina Turner, e que agora retorna em versão orquestral na qual temos o astro pop Robbie Williams na vaga da cantora. A outra é uma faixa inédita, Stop Loving Her Today, escolhida para encerrar o álbum.

O repertório traz hits massivos como Maggie May, I Don’t Want To Talk About It, Tonight’s The Night (Gonna Be Alright), Downtown Train e Forever Young, além de Stay With Me, hit dos Faces, banda que integrou ao lado de Ronnie Wood do final dos anos 1960 à metade dos anos 1970. A produção do álbum ficou a cargo do consagrado Trevor Horn, famoso não só como produtor mas também como integrante das bandas Yes e Buggles.

Eis as faixas de You’re In My Heart: Rod Stewart With The Royal Philharmonic Orchestra:

CD 1:
1. Maggie May
2. Reason To Believe
3. Handbags & Gladrags
4. Sailing
5. Tonight’s The Night (Gonna Be Alright)
6. The Killing Of Georgie (Part I and II)
7. I Don’t Want To Talk About It
8. The First Cut Is The Deepest
9. You’re In My Heart (The Final Acclaim)
10. I Was Only Joking

CD 2:
1. It Takes Two (with Robbie Williams)
2. Stay With Me (with Faces)
3. Young Turks
4. What Am I Gonna Do (I’m So In Love With You)
5. Every Beat Of My Heart
6. Forever Young
7. Downtown Train
8. Rhythm Of My Heart
9. Have I Told You Lately
10. Tom Traubert’s Blues (Waltzing Matilda)
11. If We Fall In Love Tonight
12. Stop Loving Her Today

Sailing (live)- Rod Stewart And Royal Philharmonic Orchestra:

Yes lança álbum duplo 50 Live em formatos físico e digital no Brasil

yes capa cd 2019-400x

Por Fabian Chacur

Como forma de celebrar seus 50 anos de carreira, o Yes está lançando nesta sexta (2) no Brasil via Warner Music, em CD duplo e nas plataformas digitais, o álbum Yes 50 Live. Gravado ao vivo basicamente durante show realizado na Filadélfia (EUA), o trabalho inclui faixas de dez de seus álbuns de estúdio, com ênfase na fase mais progressiva de sua trajetória, deixando de lado o repertório desenvolvido nos anos 1980 e 1990 ao lado do guitarrista sul-africano Trevor Rabin.

A atual formação do Yes inclui Steve Howe (guitarra), Geoff Downes (teclados), Alan White (bateria), Billy Sherwood (baixo), Jon Davison (vocal) e Jay Schellen (bateria). O álbum traz as participações especiais de ex-integrantes como os tecladistas Tony Kaye (em Yours Is No Disgrace, Roundabout e Starship Trooper) e Patrick Moraz (em Soon) e também Tom Brislin (teclados) e Trevor Horn (vocal).

O set list traz a versão completa da longa e maravilhosa Close To The Edge, faixa-título do fantástico álbum da banda lançado em 1972 e um de seus melhores, e também clássicos como Roundabout, Soon e Yours Is No Disgrace.

Com capa mais uma vez trazendo desenho do genial Roger Dean, o álbum é bem interessante, mas não dá para negar que é no mínimo esquisito ouvir um disco do Yes sem a presença do cantor Jon Anderson, fora desde 2008, e, principalmente, do saudoso baixista e fundador do grupo, Chris Squire (1948-2015).

Vale lembrar que, repetindo situação já ocorrida em outros períodos da história dessa seminal banda de rock progressivo, há desde 2016 uma outra formação na ativa com ex-integrantes do time. Trata-se de Anderson, Rabin And Wakeman, que reúne Jon Anderson, Trevor Rabin e Rick Wakeman, sendo que este último prometeu novos shows do trio para 2020.

Eis as faixas de Yes 50 Live:

Disco um

Close To The Edge
-The Solid Time Of Change
-Total Mass Retain
-I Get Up I Get Down
-Seasons Of Man

Nine Voices (Longwalker)
Sweet Dreams
Madrigal
We Can Fly From Here, Part 1
Soon
Awaken

Disco dois

Parallels
Excerpt From The Ancient
Yours Is No Disgrace
Excerpt From Georgia’s Song And Mood For A Day
Roundabout
Starship Trooper
a. Life Seeker
b. Disillusion
c. Wurm

Ouça Yes 50 Live em streaming:

Older posts

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑