Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: setembro 2019

Pseudo Banda lança EP É Agora com show gratuito em São Paulo

Pseudo Banda por Henrique Puppi 1-400x

Por Fabian Chacur

Três atores se encontraram em 2015 em uma montagem teatral da qual participavam. Em um intervalo, de forma descontraída, compuseram uma canção. Eles até podiam não saber, mas naquele momento havia sido plantada a sementinha que germinou a Pseudo Banda, grupo musical que está lançando no formato digital o seu primeiro EP, o excelente É Agora. O lançamento em São Paulo será nesta sexta (20) às 23h com um show gratuito no Imburanas Bar (rua Cardeal Arcoverde, nº 2.929- Pinheiros- fone 0xx11-98693-7055).

A Pseudo Banda traz em sua formação Bea Pereira (oriunda de Santos-SP), Julia Rosa (paulistana) e Vinícius Árabe (natural de Uberaba-MG). No EP, foram acompanhados pelos excelentes músicos Thales Sala (guitarra), André Gabbay (baixo e percussão), Derek Kindermann (bateria) e Paulo Gianini (teclados e ukulele), com o violão ficando a cargo de Vinícius Árabe.

O som autoral concebido pelo trio mergulha de cabeça em referências como Tropicalismo, Secos & Molhados, Novos Baianos, Mutantes, pop-rock em geral e até uma pitadinha da verve teatral da Blitz. Suas vocalizações são incisivas, e suas canções investem com inteligência e jogo de cintura em temas como o amor, a positividade, as dificuldades do cotidiano e mesmo a política.

Na faixa É Agora, conseguem a façanha de nos oferecer uma letra altamente militante sem cair no panfletarismo barato, com direito a uma frase no mínimo impactante: “quanto tempo vai perder odiando aquele que é igual a você?”.

Não Me Importo vai nessa mesma linha, com direito a citação do poema Intertexto, do dramaturgo alemão Bertold Brecht e uma bela abordagem da indiferença das pessoas ao horror do dia-a-dia, até que esse horror as atinge em cheio.

Sobre Fracassos, Fiascos e Fossas encara com bom-humor os problemas que nos afligem a cada minuto. Sussurros fala sobre relações amorosas não necessariamente delineadas de forma convencional. Ouvidos Ao Mistério (veja o clipe aqui) aborda de forma irônica e até sarcástica o uso que se faz do ocultimos e quetais, enquanto Todo Mundo Chora é aquela balada certeira que nos cativa.

As vocalizações de Bea, Julia e Vinícius são muito bem concatenadas, ora em harmonizações afiadas, ora em cortantes participações individuais, com um senso teatral que valoriza e muito o texto que expressam.

Em um mundo perfeito, você já teria visto os clipes e estaria ouvindo o EP a mil por hora. Mas, mesmo nesse planeta maluco que habitamos, dá para fazer isso por sua própria conta. Faça uma opção que vai te acrescentar muito: veja os clipes e ouça É Agora….agora! E que venham o CD e o LP!

Sobre Fracassos, Fiascos e Fossas (clipe)- Pseudo Banda:

Abacaxepa lança Caroço com um show no Auditório Ibirapuera (SP)

Abacaxepa_FotoFloraNegri_02-400x

Por Fabian Chacur

Com uma estética sonora e visual bastante influenciada pela música brasileira dos anos 1970 e muito bem adaptada para os tempos atuais, a banda Abacaxepa vai aos poucos cativando um público fiel graças à consistência e energia de seu trabalho. Seu primeiro álbum, Caroço, lançado pelo selo YBmusic e disponível nas plataformas musicais, será lançado com um show em São Paulo nesta sexta (13) às 21h no Auditório Ibirapuera (avenida Pedro Álvares Cabral- Portão 2 do Parque Ibirapuera- fone 0xx11-3629-1075), com ingressos a R$ 15,00 (meia) e R$ 30,00 (inteira).

Carol Cavesso (voz), Bruna Alimonda (voz), Rodrigo Mancusi (voz), Juliano Verissimo (bateria e percussão), Ivan Santarém (guitarra e violão), Fernando Sheila (baixo), Vinícius Furquim (Rhodes, órgão Hammond e sintetizadores), integrantes do grupo radicado em São Paulo, criaram o Abacaxepa em 2016, durante as aulas de música que tiveram na Escola Superior de Artes Célia Helena. Portanto, a abordagem teatral de seu trabalho tem uma origem nobre.

Os ótimos singles Pimenta e O Dia Que Maria Levantou e o lançamento de um EP em 2018 ajudaram a impulsionar o Abacaxepa, além de shows costumeiramente lotados nos quais suas vocalizações bacanas e uma mistura afiada de rock, reggae, ritmos nordestinos, MPB, psicodelia, experimentalismos mil e muito mais encontram o local mais adequado.

Duas das músicas de Caroço (ouça o álbum em streaming aqui) já possuem videoclipes. São elas o reggae-xote Piracema e a roqueira Remédio Pra Gente Grande (veja o clipe aqui), duas belas amostras de um trabalho caudaloso e dos mais expressivos da novíssima geração da música brasileira.

Piracema (clipe)- Abacaxepa:

Documento Inédito, de Cartola, volta às lojas no formato vinil

CAPA_cartola documento.indd

Por Fabian Chacur

Sempre é tempo de se ouvir o genial Cartola (1908-1980). Com poucos registros lançados em sua carreira, o saudoso cantor, compositor e músico carioca nos deixou uma obra absolutamente fundamental para os fãs da melhor música brasileira. Um desses discos, o mais informal deles, Documento Inédito, está sendo relançado pela Polysom como parte de sua coleção Clássicos Em Vinil, no formato vinil 180 gramas. Inúmeros grandes intérpretes regravaram suas canções, mas ouvi-las em sua própria voz proporciona um grande deleite a quem assim o fizer.

O álbum nos traz gravações feitas em São Paulo para um programa da rádio Eldorado, nas quais Cartola responde a perguntas sobre sua carreira e também canta com a categoria habitual oito clássicos de seu repertório, como Acontece, O Inverno do Meu Tempo e Que Sejas Bem Feliz. Documento Inédito foi lançado originalmente em 1982, pela Gravadora Eldorado.

Cartola fez parte de uma geração de compositores refinados e inspirados que deram à nossa música popular um toque de classe que se eternizou. Sabia como poucos falar sobre as agruras do amor, com versos muito bem concatenados e dotados de uma inspiração sempre à flor da pele, escritas ou sozinho ou com outros parceiros. Deixou uma marca profunda em nossa cultura popular.

Ouça Documento Inédito, de Cartola, em streaming:

Jaloo lança novo álbum em show com convidados em São Paulo

jaloo-400x

Por Fabian Chacur

Nesta sexta-feira (6), o cantor, compositor, DJ e produtor paraense Jaloo completará 32 anos. Como forma de celebrar e também partilhar essa data festiva com os fãs, ele fará um show em São Paulo a partir das 23h30 no Cine Joia (Praça Carlos Gomes, nº 62- Liberdade- fone 0xx11-3101-6318), com ingressos a R$ 40,00 (meia) e R$ 80,00 (inteira). A apresentação também tem como objetivo o lançamento oficial do segundo álbum dele, Ft, e trará vários convidados especiais.

Em seu primeiro álbum, #1 (2015), Jaloo se incumbiu de todos os sons registrados. Desta vez, resolveu trazer para a gravação diversos convidados, o que ficou explícito no título deste novo trabalho, Ft, abreviatura para o termo em inglês featuring (com a participação, em tradução livre). Alguns deles marcarão presença neste show em Sampa City.

A talentosa MC Tha, por exemplo, fará um dueto com o dono da festa em Céu Azul, espécie de sambão eletrônico que se tornou um hit instantâneo. Karol Konka (em Dom), Lucas Santtana (em Cira, Regina e Nana) e Lia Clark (em Movimenta) completam as participações mais do que especiais.

O artista será acompanhado por uma banda composta por Milian Dolla (programação eletrônica e bateria), George Costa (percussão) e Michele Cordeiro (guitarra). O espetáculo será dividido em dois atos, trazendo as novas canções e os hits dos trabalhos anteriores (ele também lançou três EPs), como A Cidade, Chuva, Last Dance e Tanto Faz.

Jaime Melo Maciel Júnior nasceu em 6 de setembro de 1987 em Castanhal, Pará, e iniciou a carreira fazendo remixes e mashups de trabalhos alheios. A partir de 2014, mergulhou em composições próprias, nas quais mescla música eletrônica, tecnobrega, música popular brasileira e indie pop com um resultado no qual sua voz doce e melódica faz a diferença. Ele participou do Lollapalooza Brasil 2017 e é presença constante em programas de TV.

Céu Azul– Jaloo ft. MC Tha:

Ithamara Koorax volta a SP para show nesta 4ª no Sesc 24 de Maio

ithamara koorax-400x

Por Fabian Chacur

Ter como madrinha artística Elizeth Cardoso, a Divina, não é para qualquer uma. E a cantora oriunda de Niterói Ithamara Koorax, felizmente, fez jus a essa rara deferência de uma das nossas melhores cantoras. Ela celebra 30 anos de estrada e está divulgando o seu mais recente álbum, All Around The World, que a traz de volta a São Paulo após sete anos para show nesta quarta (4) às 21h no Teatro Sesc 24 de Maio (rua 24 de Maio, nª 109- Centro- fone 0xx11-3350-6256), com ingressos de R$ 12,00 a R$ 40,00.

Com direção musical do craque Arnaldo DeSouteiro, Ithamara terá a seu lado nesta apresentação um trio afiadíssimo composto por Paula Faour (piano), Jorge Pescara (baixo) e Cesar Machado (bateria). Além de canções do novo trabalho, o 25º de sua discografia, a intérprete reservou espaço em seu set list para alguns clássicos da bossa nova, estilo musical que abraçou desde o início de sua carreira. Vale lembrar que ela gravou com alguns ícones desse gênero, como Tom Jobim, Marcos Valle, Luiz Bonfá e outros desse calibre.

Versátil, Ithamara já teve dez músicas incluídas em trilhas sonoras de novelas globais. Com forte formação jazzística também, ela volta e meia marca presença nas listas de melhores intérpretes de jazz da venerada revista americana Downbeat, ombreando com colegas do porte de Diana Krall e Cassandra Wilson. Ela já cantou em mais de 20 países, e atuou ao lado de mestres como Ron Carter, Larry Coryell, Dave Brubeck, John McLaughlin e Claus Ogerman, só para citar alguns deles. A moça tem currículo!

A Rã– Ithamara Koorax:

Linda Ronstadt terá sua carreira relembrada em documentário

linda ronstadt foto 1980-400x

Por Fabian Chacur

Para tristeza de todos os fãs da boa música, a cantora americana Linda Ronstadt abandonou a carreira artística em 2011. A razão: não ter mais condições físicas de cantar, gravar e fazer shows, por ser vítima do mal de Parkinson. Como forma de homenagear essa grande artista que completou 73 anos no último dia 15, os diretores Rob Epstein e Jeffrey Freedman realizaram o documentário The Sound Of My Voice, que será lançado nos EUA em setembro.

O filme faz uma bela viagem pela incrível trajetória de Linda, indo desde seu início como vocalista do grupo The Stone Poneys, passando pelo estrelato como cantora de rock nos anos 1970 e com maior abrangência de estilos a partir dos anos 1980, investindo de forma brilhante em standards da música americana, country, pop, soul e até música mexicana, encarando de forma corajosa controvérsias surgidas em cenários machistas e preconceituosos.

Temos entrevistas com a cantora extraídas de arquivo e também atuais, mescladas com depoimentos de parceiros e pessoas importantes em sua trajetória, como Dolly Parton, Emmylou Harris, Karla Bonoff, Bonnie Raitt, David Geffen, Aaron Neville e outros. “Linda era capaz de, literalmente, cantar qualquer estilo que quisesse; ela era tão perfeccionista que às vezes era um difícil de aguentar”, relembra Dolly em uma de suas aparições no filme.

Leia mais sobre Linda Ronstadt aqui.

Veja o trailer de The Sound Of My Voice:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑