Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: baden powell

Gilson Peranzzetta e Marcel Powell fazem show em SP

gilson peranzzetta e marcel capa 400x

Por Fabian Chacur

Sebastião Tapajós (1943-2021) foi um dos maiores violonistas brasileiros, além de um compositor inspirado e conhecido internacionalmente. Como forma de homenageá-lo, dois músicos fortemente ligados a ele, o tecladista e maestro Gilson Peranzzetta e o violonista Marcel Powell, gravaram o álbum Pro Tião, que a gravadora Kuarup já disponibilizou nas plataformas digitais e em breve lançará em CD.

O duo mostra este repertório em show nesta sexta (2) às 20h no Blue Note São Paulo (avenida Paulista, nº 2.073- 2º andar- saiba mais aqui), com ingressos a R$ 45,00 (meia) e R$ 90,00 (inteira).

A faixa que dá nome ao álbum é uma inspirada parceria de Peranzzetta e Powell, que durante todo o álbum investem basicamente no formato piano e violão. Temos também uma composição de Tapajós, Tocata Pra Billy Blanco, um clássico do chorinho (Pedacinho de Céu, de Waldir Azevedo) e também obras de autoria de Baden Powell e Vinícius de Moraes.

Na ativa desde a década de 1960 como músico profissional, Gilson Peranzzetta possui um currículo repleto de pontos altos, e entre eles se encontra uma frutífera parceria com Ivan Lins, com quem toca e compõe desde meados dos anos 1970. Muito elogiado e respeitado por gente do calibre de Quincy Jones, ele desenvolveu uma parceria com o paraense Sebastião Tapajós entre 1986 e 2021.

Filho do lendário violonista e compositor Baden Powell (1937-2000), Marcel seguiu os passos do pai, e aos 40 anos de idade pode ser considerado um jovem veterano, com vários discos e shows elogiados no seu currículo. Ele teve um relacionamento muito afetivo com Tapajós, e o considerava um padrinho musical, o que justifica essa homenagem tão bela.

Pro Tião (ao vivo)- Gilson Peranzzetta e Marcel Powell:

Tempo Feliz é livro que conta a história de uma bela aventura

tempo feliz capa do livro-400x

Por Fabian Chacur

Uma forma interessante de estudar a história da música brasileira é se deter na trajetória das gravadoras, especialmente as independentes ou de pequeno e médio porte. É através delas que muita coisa importante aconteceu. Um bom exemplo é a Forma, criada por Roberto Quartin e Wadi Gebara em 1964 e que se manteve assim até 1967, quando foi vendida para a CBD (cujo acervo hoje pertence à Universal Music). Eis a missão assumida pelo jornalista Renato Vieira, que mergulhou fundo nela e nos proporcionou o excelente livro Tempo Feliz- A História da Gravadora Forma (Kuarup Música).

Além das tradicionais entrevistas com boa parte dos principais envolvidos com o enredo do tema que resolveu abordar, Vieira teve uma ideia bastante interessante. Como o acervo de lançamentos da Forma em seu período independente comporta um número pequeno de títulos (pouco mais de 20), ele nos traz uma análise de cada um deles, com direito a fichas técnicas, textos das contra-capas e também uma análise inteligente dos discos, incluindo desempenho comercial e repercussão na imprensa.

Além disso, ele nos situa de forma basante precisa naquele período da história do Brasil, quando o golpe militar havia acabado de ocorrer e as perseguições à área cultural foram aos poucos aumentando, além do clima favorável à bossa nova no exterior, graças ao mitológico show no Carnegie Hall em 1962 e principalmente ao estouro do álbum Getz-Gilberto (1964), que vendeu muito e rendeu 4 troféus Grammy ao músico americano Stan Getz e seus talentosos parceiros brazucas.

É dentro dessa dualidade medo/esperança que a Forma surge. Ela é fruto do idealismo quase irresponsável do jovem Roberto Quartin, que se une a um profissional do meio musical, o alemão Peter Keller, para criar um selo musical que teria seus discos prensados e distribuídos pela CBD. Keller saiu da sociedade antes mesmo do lançamento do 1º álbum, e o também jovem músico amador e arquiteto Wadi Gebara acabou sendo o seu parceiro de fato nessa ousada empreitada.

Quartin tinha como objetivo lançar discos de artistas extremamente talentosos e que admirava muito, mesmo sem saber se poderiam lhe dar um retorno comercial que viabilizasse o negócio. Cada álbum teria apresentação luxuosa, com direito a capas duplas, textos assinados por nomes importantes da cultura brasileira e fichas técnicas completas. E assim foi feito, mesmo sob o olhar assustado de Gebara em vários momentos, ele mais próximo do lado financeiro dessa operação.

Em termos musicais, deu muito certo. Entre outros, lançou o mitológico Os Afro-Sambas, firmando a célebre parceria de Baden Powell e Vinícius de Moraes, os primeiros discos do seminal Quarteto em Cy, o icônico Coisas, do maestro Moacir Santos e discos importantes e marcantes dos então ainda novatos Eumir Deodato e Victor Assis Brasil, só para citar alguns.

O duro é que, por circunstâncias as mais diversas, esses discos foram acumulando prejuízos, e em 1966 o próprio Quartin resolveu se mandar, deixando a encrenca nas mãos de Gebara. A Forma só se manteve no mesmo espírito independente até 1967, quando foi vendida para a CBD e tornou-se apenas um selo como outro qualquer até 1971, quando enfim saiu de cena. Mas sua história ficou marcada.

Com um texto fluente e consistente, Renato Vieira nos conta essa história com muita riqueza de detalhes e bastidores, e que mostra um pouco do idealismo em prol da criação de espaços nobres para lançamentos de artistas que praticassem a boa música brasileira que gerou empreitadas como esta Forma e também a mais conhecida delas, a Elenco de Aloysio de Oliveira, outra que acabou sendo incorporada ao acerco da gloriosa CBD.

Roberto Quartin ainda faria algumas produções eventuais, após deixar a Forma, e nos deixou em 2004, aos 62 anos de idade. Wadi Gebara saiu de vez da cena musical sem um tostão, e voltou a se dedicar à arquitetura, sendo uma das fontes deste livro e quem sugeriu o belo título. Ele infelizmente nos deixou antes de vê-lo publicado, em 2019, aos 81 anos.

Ao desabafar um dia com o amigo Roberto Menescal sobre o fato de ter perdido todo o dinheiro que tinha com o projeto da Forma, Gebara ouviu de um dos grandes craques da bossa nova uma frase lapidar, e com um trocadilho matador: “Wadi, foi a melhor forma de você perder dinheiro”.

Os Afro-Sambas- Baden e Vinícius (ouça em streaming):

© 2022 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑