Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: junho 2019 (page 1 of 2)

The Doobie Brothers lançam histórico disco duplo ao vivo

the doobie brothers-400x

Por Fabian Chacur

The Doobie Brothers é uma das bandas mais consistentes e bem-sucedidas da história do rock americano. Em vias de completar 50 anos de estrada, os caras já venderam mais de 48 milhões de cópias de seus álbuns, sendo que um deles, a coletânea Best Of The Doobies (1976), atingiu a marca de mais de 12 milhões de cópias vendidas nos EUA. Mais ativos do que nunca, eles estão lançando um novo trabalho. E não é qualquer um. Trata-se de Live From The Beacon Theater, disponibilizado pela Warner Music no Brasil em CD duplo e nas plataformas digitais e no exterior também em Blu-ray e em dobradinha DVD+CD duplo.

Gravado ao vivo no lendário Beacon Theatre de Nova York, onde o grupo não tocava há 25 anos, o álbum registra um momento único na trajetória da banda criada e ainda hoje liderada pelos incríveis Tom Johnston (vocal e guitarra) e Patrick Simmons (vocal e guitarra). Trata-se da primeira vez em que eles tocaram, na íntegra, faixa a faixa e na ordem original em que foram lançadas, as músicas de seus dois melhores LPs, Toulouse Street (1972) e The Captain And Me (1973).

Esses dois trabalhos, que venderam muito na época e emplacaram hits do porte de Listen To The Music, Rockin’ Down The Highway, Jesus Is Just Alright, Long Train Runnin’ e China Grove, mostram uma original e turbinada mistura de rock and roll, folk, soul, blues e hard rock, tendo como marca registrada o contraponto entre o vozeirão e a guitarra agressiva de Johnston e o dedilhado na guitarra e violão e a voz mais doce de Simmons. Uma combinação perfeita.

Um dos atrativos desse já bem interessante álbum é o fato de termos aqui registros ao vivo de músicas que a banda nunca havia tocado em shows, como as ótimas Mamaloi, Ukiah e The Captain And Me. O segundo disco traz em sua parte final três faixas adicionais incluídas no bis do show: Take Me Your Arms, Black Water e uma segunda versão de Listen To The Music.

Além de Tom Johnston e Patrick Simmons, a atual escalação dos Doobies traz outro cara importante na história da banda, o cantor, compositor e multi-instrumentista John McFee, que entrou no time no final dos anos 1970 e é de uma versatilidade impressionante como músico. Completam o afiadíssimo time Bill Payne (teclados, ex-integrante do grupo Little Feat, de muito sucesso nos anos 1970), Marc Russo (sax) e Ed Toth (bateria), John Cowan (baixo e vocais).

Leia mais textos sobre os Doobies em Mondo Pop aqui

Eis as faixas de Live From The Beacon Theatre:

Disco 1: Toulouse Street

– Listen To The Music
– Rockin’ Down The Highway
– Mamaloi
– Toulouse Street
– Cotton Mouth
– Don’t Start Me To Talkin’
– Jesus Is Just Alright
– White Sun
– Disciple
– Snake Man

Disco dois: The Captain And Me:

– Natural Thing
– Band Intros (apresentação dos músicos)
– Long Train Runnin’
– China Grove
– Dark Eyed Cajun Woman
– Clear As The Driven Snow
– Without You
– South City Midnight Lady
– Evil Woman
– Busted Down Around O’Connelly Corners
– Ukiah
– The Captain And Me
Encore (bis)
Take Me In Your Arms (Rock Me)
Black Water
Listen To The Music (Reprise)

Long Train Runnin’ (live at the Beacon Theatre):

Zelia Duncan volta ao folk pop com delicadeza e clima positivo

tudo e um zelia duncan-400x

Por Fabian Chacur

Se há alguém que pode ser definida como “artista dos mil projetos”, ela atende por Zelia Duncan. Além de participar de discos e shows de nomes dos mais variados segmentos, ela também mergulha em obras com os mais diferentes enfoques. Até dos Mutantes ela já foi integrante! Dessa forma, esta cantora, compositora e musicista de 54 anos oriunda de Niterói (RJ) ficou dez anos sem lançar um trabalho autoral voltado à sonoridade que a tornou conhecida nacionalmente, o folk-pop-MPB, digamos assim. Esse hiato acaba agora com o lançamento de Tudo É Um (Duncan Discos-Biscoito Fino), um belo momento do tipo “volta às raízes”.

O principal marco do álbum é o retorno do principal parceiro de Zelia nesse praia, Christiaan Oyens, que aqui se incumbe da produção, alguns instrumentos musicais e parceria nas músicas Canção de Amigo e Olhos Perfeitos. Aliás, o que não falta nesse álbum é parceiro. Zeca Baleiro, por exemplo, é coautor de Me Faz Uma Surpresa e Medusa. Dani Black assina com ela Só Pra Lembrar. Moska é o parceiro em Feliz Caminhar, enquanto a faixa que dá nome ao CD foi escrita a quatro mãos com Chico Cesar.

Fred Martins escreveu com a cantora Sempre os Mesmos Erros, e Dimitri é o “parça” de Breve Canção de Sonho, única não inédita do disco, gravada originalmente em 2012 para a trilha da novela global Cheias de Charme e aqui em nova versão. Eu Vou Seguir é só dela, e O Que Mereço equivale à única canção do álbum não escrita pela artista, escrita por Juliano Holanda.

Como um todo, o álbum esbanja delicadeza, afeto e positividade, com os violões sendo o alicerce de toda a sonoridade, mas aliados a arranjos que em alguns momentos incorporam cordas e metais com precisão cirúrgica. Tipo do disco que pode soar superficial e até meio repetitivo em um primeiro contato, mas que cresce muito em novas audições, nas quais as sutilezas são melhor captadas e mostram o quanto este Tudo É Um é bom. Bem-vinda ao lar, Zelia Duncan!

O Que Mereço (clipe)- Zelia Duncan:

Zé Guilherme faz show em SP com clássicos de Orlando Silva

Zé Guilherme -foto de Alessandra Fratus -4ab-400x

Por Fabian Chacur

Em 2015, quando celebramos o centenário do nascimento do icônico cantor carioca Orlando Silva (1915-1978), o cantor e compositor cearense radicado em São Paulo Zé Guilherme lançou o excelente Abre a Janela- Zé Guilherme Canta Orlando Silva. Como seria de se esperar, este CD se tornou clássico, e, quatro anos depois, ele não se furta a fazer shows com este repertório delicioso. Um deles ocorrerá nesta quinta-feira (27) às 21h no Bar do Nelson (rua Canuto do Val, nº 83- Santa Cecília- fone 0xx11-3224-0586), com ingressos a R$ 30,00.

O legal deste álbum delicioso é que Zé Guilherme não tentou imitar o vozeirão de Orlando Silva, e releu as canções de forma brejeira e personalizada. O resultado não poderia ter sido melhor, com 18 canções da considerada melhor fase do Cantor das Multidões, entre 1935 e 1942. Temos grandes sucessos e também canções não tão conhecidas, mas tão boas quanto os hits. Abre a Janela, A Jardineira, Dama do Cabaré, Lábios Que Beijei e Curare estão no elenco.

Zé Guilherme será acompanhado por Cezinha Oliveira (direção musical, violão e vocais, o mesmo do CD), Adriano Busko (percussão), Maik Oliveira (cavaquinho) e Pratinha Saraiva (flautas). Recentemente, o artista lançou um novo e excelente álbum, Alumia, o quarto de sua discografia, desta vez dedicado a repertório autoral (leia mais sobre esse trabalho aqui).

Ouça Abre a Janela- Zé Guilherme Canta Orlando Silva em streaming:

Prince terá o seu disco Originals lançado no Brasil no formato CD

prince originals capa cd-400x

Por Fabian Chacur

Uma ótima notícia para os fãs brasileiros de Prince que curtem formatos físicos musicais. O mais recente lançamento póstumo do saudoso artista americano, Originals, chegará ao mercado nacional no dia 28 (sexta) em CD, via Warner Music. O álbum, que saiu inicialmente apenas na plataforma digital Tidal (que tem entre seus proprietários o rapper Jay-Z), agora também está disponível nas outras localidades virtuais dedicadas aos lançamentos digitais.

Prince tinha diversas marcas registradas em sua forma de trabalhar. Duas delas eram a extrema produtividade e o detalhismo. Dessa forma, ele compunha um total de músicas que excediam sua própria capacidade de gravar, e isso o levava a encaminhar parte dessa extensa produção de canções para outros artistas. Como forma de apresentar tais músicas aos artistas que as lançariam, gravava sozinho demos tão bem produzidas que, em alguns casos, os artistas acabavam se valendo delas, acrescentando apenas novos vocais ou pequenos detalhes.

Originals traz 15 faixas com essas características, várias delas hits massivos com nomes como Sinéad O’Connor (Nothing Compares 2 U), Sheila E (Glamorous Life) e Martika (Love…Thy Will Be Done), por exemplo. The Time, Vanity 6, Apollonia 6, Jill Jones, The Family e Mazarati são outros artistas-grupos que gravaram essas músicas originalmente, vários deles apadrinhados por ele. A seleção do repertório ficou a cargo do produtor e gerenciador de talentos Troy Carter

Eis as faixas incluídas em Originals:

-Sex Shooter
-Jungle Love
-Manic Monday
-Noon Rendezvous
-Make-Up
-100 MPH
-You’re My Love
-Holly Rock
-Baby, You’re a Trip
-The Glamorous Life
-Gigolos Get Lonely Too
-Love… Thy Will Be Done
-Dear Michaelangelo
-Wouldn’t You Love to Love Me?
-Nothing Compares 2 U

Ouça Love…Thy Will Be Done– Prince:

Ithamara Koorax canta clássicos do jazz em show no Rio de Janeiro

ithamara koorax 400x

Por Fabian Chacur

Ithamara Koorax está celebrando 30 anos de carreira no cenário musical, e quem ganhará o presente será o público carioca. Neste sábado (22) às 20h, a cantora oriunda de Niterói (RJ) mostra o repertório de seu CD Sings The Jazz Masters. A apresentação terá como palco a Sala Cecília Meirelles (Largo da Lapa, nº 47- Lapa- fone 0xx21-2332-9223), com ingressos a R$ 40,00. Uma boa oportunidade de vê-la dedicando-se especialmente ao jazz, um dos gêneros que domina com categoria, junto com a bossa nova, a música erudita, MPB e música pop.

O currículo desta intérprete é tão significativo que, mesmo bastante resumido aqui, dá uma boa ideia de sua envergadura artística. Com 25 CDs lançados e participação em mais de 250 trabalhos alheios, ela já fez shows em cerca de 20 países, gravando e cantando ao lado de nomes indiscutíveis do naipe de Tom Jobim, Ron Carter, Luiz Bonfá, Dave Brubeck, Larry Coryell, Marcos Valle e John McLaughlin, só para citar alguns. De quebra, ainda teve várias músicas incluídas em trilhas de novelas e seriados televisivos.

No show Ithamara Koorax Sings The Jazz Masters, que conta com roteiro e direção a cargo do expert em jazz e bossa nova Arnaldo DeSouteiro, a cantora terá a seu lado um trio integrado por Paula Faour (piano), Jorge Pescara (baixo) e Cesar Machado (bateria). O repertório traz clássicos do jazz eternizados por nomes como Miles Davis, Bill Evans, John Coltrane, Ella Fitzgerald, Frank Sinatra, Chet Baker e Toni Bennett, só para citar alguns.

São canções que resistiram ao teste do tempo e se mantém belas, intensas e atuais. Entre elas, temos All Blues, Giant Steps, My Favorite Things, Autumn In New York, Love For Sale, April in Paris e How Do You Keep The Music Playing. Para curtir e mergulhar em um universo musical mais do que nobre.

My Favorite Things– Ithamara Koorax:

Congás Transforma reúne música e gastronomia em evento gratuito

hamilton de holanda 400x

Por Fabian Chacur

Que tal um evento que reúne shows de grandes artistas brasileiros, palestras e aulas-show de craques da gastronomia e atividades direcionadas às crianças? Melhor ainda: em um belo parque, ao ar livre e com entrada gratuita? Se você é de São Paulo, pode anotar na agenda. A segunda edição do Congás Transforma será realizada no dia 29 de junho (sábado) das 10h às 20h na Ilha Musical do Parque Villa Lobos (avenida Professor Fonseca Rodrigues, nº 2.001- Alto de Pinheiros- saiba mais aqui).

O elenco musical é de primeira linha. O saxofonista Leo Gandelman, que há quatro décadas nos encanta com seus trabalhos solo e participações em trabalhos alheios, virá acompanhado pelo Julio Bittencourt Trio para reler à sua moda grandes clássicos do repertório dos Beatles.

Por sua vez, o brilhante bandolinista carioca de 43 anos Hamilton de Holanda (FOTO), que ampliou os horizontes desse marcante instrumento musical, dará uma geral no repertório de seus diversos álbuns lançados nesses anos todos.

Também estão programadas apresentações da Orquestra Voadora, do Trio Titanium e da DJ Ale Rauen. Na área gastronômica, teremos Olivier Anquier, Bel Coelho, Helena Rizzo e Lorenzo Ravioli. Os pequenos terão as performances da trupe Três Marias e Um João, além de diversas atividades lúdicas direcionadas a elas. Praça de alimentação com food trucks estará instalada no local.

Canto de Ossanha (ao vivo)- Hamilton de Holanda:

Barbara Mendes lança o CD Orgânico com um show no Rio

barbara mendes 400x

Por Fabian Chacur

Orgânico apresenta ao grande público uma parceria musical de grande quilate. A cantora mineira criada no Rio de Janeiro Barbara Mendes interpreta 11 canções inéditas do excelente cantor, compositor e músico pernambucano Tito Marcelo. O resultado do trabalho do também casal na vida pessoal não poderia ser mais bem-sucedido. Primeiro álbum autoral da cantora desde Nada Pra Depois (2009) e disponível em CD e nas plataformas digitais, o disco será lançado com show no Rio de Janeiro nesta terça (18) às 21h no Teatro XP Investimentos (Jockey Club Brasileiro- avenida Bartolomeu Mitre, nº 1.100- Leblon- fone 0xx21-3807-1110), com ingressos custando a R$ 40,00 (meia) e R$ 80,00 (inteira).

O currículo de Barbara Mendes é dos mais respeitáveis. Ela morou por dez anos em Nova York, onde estudou canto e fez shows. Além disso, participou por lá de trilhas de filmes, teatro e balé. Seu primeiro álbum foi lançado em 2000, Live In Greece, gravado ao vivo em Atenas, na Grécia.

No álbum Nada Para Depois (2009), contou com as participações especiais de Djavan, Ivan Lins e Hamilton de Holanda. De quebra, lança em breve no exterior álbum com composições do genial Roberto Menescal vertidas para o inglês.

O clima musical contido em Orgânico é pontuado por belas canções que navegam entre MPB, folk, pop, blues e um leve tempero jazzístico. Colabora intensamente para sua alta qualidade artística a presença efetiva, nos arranjos, produção musical, guitarra e violões, do consagrado argentino radicado no Brasil Victor Biglione, que dá uma aula master de como ser acompanhante de forma elegante, criativa e expressiva.

Tito Marcelo se mostra um excelente compositor, ele que também viveu em Brasília (DF) e tem três bons discos solo em seu currículo- Frágil Verde, Força de Quebrar (2011), Pra Ficar no Sol (2014) e O Futuro Ligeiro da Demora (2016). Ele participa de duas faixas do CD, Degelo (voz e violão) e Recalques (violão).

No show desta terça (18), Barbará será acompanhada por uma banda composta por André Valle (violão de cordas de aço), Pedro Braga (violões), Alexandre Katatau (contrabaixo) e Allen Pontes (bateria). Nele, sua voz de belo timbre explorada de forma competente e sensível certamente trará também alguma coisa de trabalhos anteriores, além de faixas do ótimo Orgânico.

Veja o clipe de Recalques, de Barbara Mendes:

Titãs fazem show no Rio com músicas do CD Acústico MTV

titas 2019 400x

Por Fabian Chacur

E então, agora somos três. Parafraseando de certa forma o título do álbum And Them There Were Three (1978), do Genesis, os Titãs, que já tiveram oito integrantes, atualmente são um trio. E é essa trinca remanescente que está celebrando os 22 anos do lançamento de seu álbum comercialmente mais bem-sucedido, Acústico MTV (1997), com uma série de shows que passa pelo Rio de Janeiro nesta sexta (14) no Teatro VillageMall (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160 do Shopping VillageMall- Barra da Tijuca- fone 0xx21-3431-0100, com ingressos de R$ 50,00 a R$ 200,00.

Sérgio Britto, Toni Bellotto e Branco Mello, a atuação encarnação da banda paulistana que está há quase quatro décadas na estrada, darão uma geral no repertório de seu CD mais famoso, sem o acompanhamento orquestral e sem a montoeira de músicos de apoio daquela época. Desta vez, a coisa será bem mais intimista, em um espaço que comporta no máximo 1.000 pessoas. No repertório, musicas daquele trabalho, como Pra Dizer Adeus, e outras posteriores que se encaixam nesse espírito, como Epitáfio e Isso.

Esse show ocorre enquanto duas outras turnês do trio estão sendo preparadas. Uma comportará a execução, na íntegra, das músicas contidas no mais recente lançamento dos Titãs, o CD-DVD Doze Flores Amarelas, uma ambiciosa ópera-rock, cujo roteiro terá como palco teatros. A outra tour, intitulada Enquanto Houver Sol, mesclará músicas do novo disco com os clássicos desses anos todos. Em ambas, teremos a participação de músicos de apoio.

Pra Dizer Adeus (ao vivo)- Titãs:

Hot Chip divulga single Melody Of Love; full album sai em junho

hot chip banda-400x

Por Fabian Chacur

O grupo britânico Hot Chip voltará ao Brasil em novembro, quando será uma das atrações, em São Paulo, do Popload Festival 2019. Enquanto isso não ocorre, eles acabam de divulgar o single Melody Of Love, deliciosa canção dançante de melodia pegajosa, daquelas que entram no seu cérebro e não saem mais de lá. E nada contra! Trata-se do segundo a ser divulgado este ano. O primeiro foi Hungry Child (veja o clipe aqui). As duas faixas estarão no sétimo álbum dos caras, A Bath Full Of Ecstasy, que será lançado no dia 21 de junho, sendo que no Brasil só nas plataformas digitais.

Na estrada desde 2000, a banda do músico e compositor Alexis Taylor traz como novidade ter na produção de um de seus álbuns alguém de fora do time. E eles não escolheram qualquer um. São eles o francês Philippe Zdar, da banda Cassius, que trabalhou recentemente com o Franz Ferdinand, e o escocês Rodaidh McDonald, cujo currículo inclui colaborações com Adele, Vampire Weekend, David Byrne e Gil Scott-Heron, entre outros. O synthpop com fortes influências oitentistas e com toques de disco music do grupo está em ótimas mãos.

O primeiro álbum do Hot Chip, Coming On Strong, saiu em 2004. Desde então, eles conseguiram não só cativar um público dos mais respeitáveis na cena indie pop como também atraíram as atenções de nomes importantes da música. Entre eles, o lendário Robert Wyatt, da banda progressiva Soft Machine e com sólida carreira solo e colaborações com outros grandes nomes da música, que gravou com eles em 2008 o EP Hot Chip With Robert Wyatt and Geese.

Eis as faixas de Bath Full Of Ecstasy:

1. Melody of Love
2. Spell
3. Bath Full of Ecstasy
4. Echo
5. Hungry Child
6. Positive
7. Why Does My Mind
8. Clear Blue Skies
9. No God

Melody Of Love (clipe)- Hot Chip:

ZZ Top celebra 50 anos de estrada com uma coletânea

zz top capa coletanea-400x

Por Fabian Chacur

Há 50 anos, caía na estrada uma banda oriunda da cidade de Houston, Texas (EUA), com o intuito de investir no blues e nas variações mais básicas e viscerais do rock. Surgia o ZZ Top, grupo que permanece na ativa e celebra este cinquentenário com Goin’ 50, coletânea que a Warner Music lançará em junho em duas configurações, no Brasil. Uma, física, trará 18 faixas, enquanto a outra, para as plataformas digitais, inclui um total de 50 faixas. Trata-se de uma celebração mais do que merecida.

No início, o cantor, compositor e guitarrista Billy Gibbons tinha a seu lado Lanier Greig (baixo e teclados) e Dan Mitchell (bateria). Após o lançamento do single com as músicas Salt Lick e Miller Farm, no entanto, esse dois músicos sairiam fora, substituídos ainda naquele 1969 por Dusty Hill (baixo) e Frank Beard (bateria). Felizmente, os novos parceiros permaneceriam firmes e fortes ao lado de Gibbons durante as décadas que se seguiriam.

O primeiro álbum do trio saiu em 1971, intitulado ZZ Top’s First Album. O sucesso em termos comerciais veio a partir do terceiro trabalho, Tres Hombres (1973), que atingiu o 8º posto na parada americana. Graças a shows sempre energéticos e ao carisma de seus músicos, especialmente do guitarrista Billy Gibbons, logo frequentador assíduo das listas de melhores no instrumento, a banda aos poucos foi ganhando fãs entusiásticos.

Nos anos 1980, passaram a lotar estádios, graças ao estouro de álbuns como Eliminator (1983), que vendeu mais de 10 milhões de cópias nos EUA. Eles acrescentaram teclados eletrônicos, mas sem descaracterizar sua sonoridade clássica, uma mistura de blues, rock, hard rock e boogie. A entrada da música Doubleback, faixa do álbum Recycler (1990), na trilha do filme De Volta Para o Futuro 3 também ajudou bastante em sua popularidade.

O bacana do ZZ Top é a sua postura desencanada, com dois de seus integrantes (Gibbons e Hill) usando longas barbas e todos eles vestindo roupas esporte bem avacalhadas. O que conquistou o grande público foi mesmo a música, pois os shows também não ficam se valendo de recursos cênicos exagerados.

A seleção de músicas de Goin’ 50 dá uma geral em toda a carreira, sendo que a digital inclui ao menos uma faixa de cada um de seus álbuns de estúdio, do primeiro até o mais recente, La Futura (2012), com direito ao raro primeiro single. A versão física faz um apanhado mais resumido, porém muito bacana da carreira toda, e serve como uma boa amostra da bela trajetória do trio texano, que já se apresentou no Brasil lá pelos idos de 2010 e está iniciando uma turnê americana para festejar essas bodas de ouro roqueiras.

Confira o repertório do álbum físico:

La Grange
Sharp Dressed Man
Gimmie All Your Lovin’
Tush
Cheap Sunglasses
I’m Bad, I’m Nationwide
Legs
Got Me Under Pressure
Rough Boy
Sleeping Bag
Velcro Fly
Doubleback
Viva Las Vegas
Pincushion
What’s Up With That
Fearless Boogie
Piece
I Gotsta Get Paid

Confira o repertório do álbum digital:

La Grange
Sharp Dressed Man
Gimmie All Your Lovin’
Tush
Legs
Rough Boy
I’m Bad, I’m Nationwide
Cheap Sunglasses
Got Me Under Pressure
Sleeping Bag
Velcro Fly
Doubleback
Viva Las Vegas
Salt Lick
Miller’s Farm
(Somebody Else Been) Shaking Your Tree
Francine
Beer Drinkers & Hell Raisers
Waitin’ For The Bus
Jesus Just Left Chicago
Heard It On The X
Back Door Medley (Live)
It’s Only Love
Arrested Whilst Driving Blind
Enjoy and Get It On
I Thank You
Leila
Tube Snake Boogie
Pearl Necklace
TV Dinners
Can’t Stop Rockin’
Stages
Delirious
Woke Up With Wood
Concrete And Steel
My Head’s In Mississippi
Give It Up
Decision Or Collision
Gun Love
Pincushion
Breakaway
Girl In A T-Shirt
Fuzzbox Voodoo
She’s Just Killing Me
What’s Up With That
Bang Bang
Rhythmeen
Fearless Boogie
36-22-36
Piece

Doubleback (clipe)- ZZ Top:

Older posts

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑