Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: venda

Aerosmith em SP: ingressos à venda a partir desta quarta (4)

AEROSMITH 2-400x

Por Fabian Chacur

Os ingressos para o show que o Aerosmith fará em São Paulo no dia 15 de outubro na Allianz Parque serão colocados à venda para o público em geral a partir da madrugada desta quarta-feira (4). Com preços que variam entre R$ 130,00 a R$ 680,00, os bilhetes poderão ser adquiridos nas bilheterias oficiais (sem taxa de venda), postos de venda e pela internet. Saiba mais detalhes em www.ingressorapido.com.br.

Em sua sexta passagem pelo Brasil (a primeira ocorreu em 1994, no Hollywood Rock Festival), o quinteto americano de hard rock também se apresentará no dia 11 de outubro no Anfiteatro Beira-Rio, em Porto Alegre, com ingressos de R$ 210,00 a R$ 580,00 (lote 1), e no dia 21 de outubro no Classic Hall, em Recife, com ingressos de R$ 250,00 a R$ 8.000,00 (camarote com dez lugares).

Na estrada desde o início dos anos 1970, o Aerosmith é integrado por Steven Tyler (vocal), Joe Perry (guitarra), Brad Whitford (guitarra), Tom Hamilton (baixo) e Joey Kramer (bateria). Sua primeira fase teve como marca álbuns como Toys In The Attic (1975) e Rocks (1976), repletos de hard rock vigoroso e personalizado. Problemas com drogas e trocas na formação levaram o grupo a uma decadência entre 1979 e 1984.

Com o retorno da escalação clássica, a banda voltou com força às paradas de sucesso com Permanent Vacation (1987). A partir daí, conseguiu se manter relevante e fazendo shows pelos quatro cantos do mundo. Problemas de relacionamento entre seus integrantes quase levaram o grupo a uma separação, mas o máximo que rolou foram pequenos intervalos. A atual turnê, denominada Rock N’ Roll Rumble-Aerosmith Style 2016, pode ser a última, pelo que se diz nos bastidores.

Toys In The Attic– Aerosmith:

Sweet Emotion– Aerosmith:

Janie’s Got a Gun– Aerosmith:

EMI Music é desmembrada e vendida

Por Fabian Chacur

Depois de quatro meses de intensas negociações, enfim a EMI Music foi vendida pelo seu mais recente proprietário, o CitiGroup, que teve de se desvencilhar da empresa após quatro anos. A notícia foi veiculada na edição eletrônica desta sexta(11) do The New York Times.

Como forma de escapar de um prejuízo que poderia se tornar ainda maior, o CitiGroup preferiu comercializar a célebre gravadora de origem britânica por um total de 4.1 bilhão de dólares, sendo que há quatro anos o grupo empresarial a havia adquirido por 5.5 bilhões de dólares.

A venda ocorreu da seguinte forma: a Universal Music, do grupo empresarial francês Vivendi, pagou 1.9 bilhão de dólares pela gravadora e seu acervo, que inclui obras dos Beatles, Pink Floyd, Norah Jones, Coldplay e inúmeros outros artistas.

A editora musical, por sua vez, rendeu 2.2 bilhões de dólares ao CitiGroup e ficou nas mãos de um grupo empresarial que tem como líder a japonesa Sony Music.

Desta forma, uma antiga previsão que eu havia feito enfim se concretizou no meio musical. Eu explico.

Inspirado pelas grandes incorporações e fusões do mercado de alimentos e afins nos anos 90, previ que, em um futuro breve, cada área de atividade industrial/comercial teria apenas três grandes empresas na ponta do processo, com todas as outras, de porte infinitamente menor, disputando o resto do mercado. Não deu outra.

Com essa negociação concretizada, agora temos apenas três grandes conglomerados mandando no mundo da música: a Universal Music, a Sony Music e a Warner Music. Esta última, hoje em mãos de empresários russos, tentou adquirir a EMI, mas não teve sucesso.

Cabe a essas imensas transnacionais lutarem para viabilizar a permanência do negócio da música gravada em patamares mais próximos dos seus tempos áureos, o que parece cada vez mais improvável.

A indústria musical sofreu um forte golpe nos últimos 12 anos devido aos downloads ilegais de músicas, que ajudaram a derrubar um mercado que parecia sólido e imune a pancadas.

A Universal Music, por exemplo, hoje abriga marcas que já foram autônomas e vencedoras, como EMI, Motown, Island, A&M e Polygram, só para citar algumas.

No caso da Sony Music, temos por lá a outrora poderosa alemã BMG, que por sinal já havia englobado, nos anos 80, a icônica RCA Victor.

Já a Warner traz em seu catálogo obras de selos como Atlantic, Elektra, Continental e diversos outros.

Ouça EMI, com os Sex Pistols:

© 2021 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑