Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Serguei e banda Pandemonium mostram casamento perfeito no CD Bom Selvagem

Por Fabian Chacur

Nos últimos três segundos de Bom Selvagem, CD que gravou com a banda Pandemonium e lançado pelo selo independente Blues Time, Serguei solta uma frase básica e direta: o rock and roll não nasceu para ser perfeito. Mas, ironicamente, este é o trabalho mais próximo disso que o lendário cantor e compositor já conseguiu lançar em seus quase 50 anos de carreira.

Essa figura folclórica do rock brasileiro nasceu em 1933, ou seja, dois anos antes do que Elvis Presley e 22 anos antes do início do rock and roll enquanto fenômeno de massas com o estouro de Rock Around The Clock, com Bill Haley & His Comets. Ele viu a criança nascer, e ajudou a embalá-la no Brasil.

Sempre lembrado como o cara que namorou Janis Joplin, Serguei é o roqueiro em estado puro. Seu canto é rouco, frequentemente desafinado, gritado, mesmo. Mas com uma personalidade que supera toda e qualquer deficiência. Uma assinatura própria e forte.

Ironicamente, durante esses anos todos ele gravou muito pouco. Apenas alguns compactos (compilados em seminal coletânea lançada pelo genial Luis Carlos Calanca e sua Baratos Afins) e um pela BMG, com produção abaixo do que ele mereceria.

Bom Selvagem registra a reunião entre o Iggy Pop brasileiro e a banda carioca Pandemonium, há 18 anos na estrada e um sólido grupo de rock básico, com forte tempero de hard rock, punk e até eventuais elementos de ritmos brasileiros.

O time é integrado por André (vocal), Nilson Jr. (baixo e vocais), Alex Anjo (bateria e vocais) e Diego (guitarra). André assume o vocal principal de algumas canções, como as boas Marginal, Poder Paralelo e Eu Não Volto Mais, e mostra voz potente e muita personalidade.

Alpha Centauro, dueto de André e Serguei, tem levada misturando samba e hard rock a la Planet Hemp, enquanto Burro Cor de Rosa mostra Serguei encarando um balanço funk-hard a la Hendrix.

Rolava Bethânia é releitura da inacreditável versão feita por Tavinho Paes para o clássico de Chuck Berry Roll Over Beethoven e é para dançar e morrer de rir, assim como as hilariantes Rock do Pai, Ouriço e Tô Na Lona.

E tem também uma releitura bem básica de Sweet Home Chicago, de Robert Johnson, com direito a solo de gaita e tudo, prova de que Serguei sempre soube beber da fonte do pai do rock, jazz, soul etc (e tome etc!).

No geral, Bom Selvagem é a prova de que, sim, Serguei é muito mais do que apenas uma curiosidade do passado, com muito pique, raça e imperfeição da melhor qualidade. Não é para quem curte elaboração, rock progressivo e coisas assim. Mas se o seu negócio é diversão e sujeira sonora, vale a aposta.

2 Comments

  1. vladimir rizzetto

    July 17, 2010 at 5:09 pm

    Fabian

    Há aproximadamente uns 8 ou 9 anos, o Serguei tocou num encontro de motoqueiros que rolou aqui em Jundiaí, na av. 9 de Julho, que entre outras coisas, sempre é palco para comemorações de títulos de todas as torcidas.
    Bom, o Serguei é uma figuraça!!!
    Tocou algumas músicas próprias e uns covers, entre eles, uma versão mais lenta de Help, momento em que ele pediu que todos se sentassem e curtissem “as boas vibrações” da música!
    Que cena, parecia um Woodstock urbano e “vagabundo”.
    Hahahahahaha
    Bem, falando sério, sobre a música, pouco posso comentar, pois nunca ouvi nenhum disco dele e pouco me lembro das canções que ele tocou naquele evento. Vou dar um fuçada no Youtube.
    Ah sim, concordo, ele é o Iggy Pop brasileiro.
    Caramba, o cara tem 77 anos, é mais velho que meu sogro!!!!!!!

    Grande abraço

  2. admin

    July 18, 2010 at 9:45 pm

    Esse cara é um fenômeno, Vladimir. Definitivamente não faz parte da lista dos meus nomes favoritos no rock, mas eu tenho de respeitá-lo pela perseverança e pela entrega naquilo que faz. Figuraça mesmo! Grande abraço e obrigado pela visita!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑