Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: i’m in love again

Alexia Bomtempo mostra em Suspiro sua versão da bossa nova

Alexia_by_Nathan_West.2-400x

Por Fabian Chacur

A cantora Alexia Bomtempo nasceu em Washington D.C. (EUA), filha de pai brasileiro e mãe americana. Foi criada no Brasil, mas com várias passagens por seu país de origem. Isso criou uma espécie de dualidade cultural em sua formação pessoal que se refletiu em uma trajetória musical com mais de 10 anos.

Há quase oito anos radicada em Nova York, Alexia está lançando Suspiro (que saiu no Brasil pela Lab344, ouça aqui), seu quarto álbum, no qual mergulha em uma visão própria da bossa nova, com direito a canções autorais, inéditas de outros compositores e clássicos nada óbvios daquele movimento musical, de autores como Jorge Ben Jor, João Donato e Edu Lobo.

Em entrevista feita por email a MONDO POP, ela conta tudo sobre o novo trabalho e também nos dá uma geral em sua interessante e bastante consistente trajetória como cantora e compositora.

MONDO POP- Suspiro, seu novo álbum, é um trabalho bem diferente do seu álbum anterior, mais voltado para o pop-rock. Este novo tem um espírito bem de bossa moderna. Como surgiu a ideia de fazer um CD com essa sonoridade?
ALEXIA BOMTEMPO
– Eu passei uns meses em Tokyo fazendo uma residência de jazz e tive uma espécie de “reencontro” com a bossa nova. Fiz um mergulho naqueles discos que foram a base da minha formação musical, comecei a compor músicas novas e convivi muito com amigos e fãs japoneses completamente apaixonados por bossa nova. Voltei pra Nova York com a ideia de fazer um album que explorasse esse universo.

MONDO POP – O repertório de Suspiro mescla faixas inéditas e releituras nada óbvias. Que critérios você seguiu para fazer a seleção? Desde o início a ideia era mesclar idiomas (português, francês e inglês)?
ALEXIA BOMTEMPO
– A gente já tinha o conceito do álbum, que era saudar esse movimento samba-bossa-jazz dos anos 60 e 70, mas com um pensamento moderno. Apesar de fazer minhas próprias músicas, sempre gostei de cantar canções de outros compositores. Adoro pesquisar repertório e encontrar pérolas, relembrar músicas que foram lançadas lá atrás com roupagem diferente. Eu, o Jake e o Stéphane fomos trocando ideias e selecionando o repertório de forma colaborativa. Sou naturalmente bilíngue, sempre cantei em inglês e português e com esse álbum não poderia ser diferente. A bossa nova tem ligação forte com a cultura francesa e achamos bacana explorar esse idioma também.

MONDO POP- Como ocorreu a seleção das faixas inéditas? O objetivo era misturar canções de sua autoria com as de outros compositores ou isso acabou ocorrendo naturalmente?
ALEXIA BOMTEMPO
– O objetivo era esse, mas tudo aconteceu naturalmente. Eu já tinha algumas músicas prontas, depois fiz outras com o Jake pensando mais no conceito do álbum. O Stéphane estava passando uns dias no Rio nessa fase de pré-produção do disco e pediu canções inéditas ao Alberto Continentino e ao Domenico Lancellotti – dois compositores que eu adoro.

MONDO POP- A sonoridade do álbum é muito coesa, delicada e elegante, e soa como um trabalho de banda. Essa era a sua ideia inicial? Escolheu os músicos pensando nisso?
ALEXIA BOMTEMPO
– Sim, a ideia era fazer um disco com essa sonoridade de banda. Chamamos o pianista Vitor Gonçalves e o baixista Eduardo Belo (ambos brasileiros radicados em Nova York), que já vinham tocando com o Stéphane num outro projeto de samba-jazz. Foi bacana, porque já existia todo um entrosamento. O Jake, apesar de ter muita experiência com música brasileira, vem de uma formação mais jazz e blues que somou muito pra chegarmos nesse lugar delicado, elegante e internacional.

MONDO POP- Qual a importância dos produtores Jake Owen e Stéphane San Juan na concretização do álbum Suspiro, e como rolou o dueto com Stéphane em Les Chansons D’Amour?
ALEXIA BOMTEMPO
– O Jake e o Stéphane foram fundamentais. Eles são produtores fantásticos, pessoas lindas e profissionais incríveis. Todo o processo de feitura do disco se deu de uma forma muito leve, divertida e colaborativa – desde a escolha do repertório. Achamos que seria interessante ter uma música em francês, pela bossa nova ter um elo tão vivo com a cultura francesa e o Stéphane fez a letra pra música do Alberto Continentino, que resultou em Les Chansons D’Amour. O dueto também é uma referência aos duetos clássicos de bossa nova. A voz grave do Stéphane combinou muito com a minha e acho que a gravação transporta o ouvinte para outra atmosfera. Ah, e o Stéphane é francês!

MONDO POP- Fale um pouco sobre o clima das gravações, se você gravou com os músicos ao mesmo tempo ou naquele esquema de ir criando aos poucos a base instrumental para depois colocar a voz.
ALEXIA BOMTEMPO
– Gravamos no SuperLegal Studio (do Jake e do percussionista Mauro Refosco) que fica no Brooklyn, tudo ao vivo, com os músicos tocando ao mesmo tempo, “como se fazia antigamente” – inclusive a voz. Os arranjos foram feitos na hora, sem muito ensaio. Eu, o Jake e o Stéphane já tínhamos escolhido o repertório e conhecíamos as músicas, mas o Eduardo e o Vitor foram ouvindo as ideias na hora, deixando a criatividade fluir, e contribuíram imensamente na elaboração de cada faixa. Foi muito leve e divertido, gravamos as bases em dois dias e depois convidamos o trompetista Michael Leonhart para participar. Ele é um músico fantástico e apaixonado por bossa nova. Também chamamos o guitarrista Guilherme Monteiro para participar da faixa “Les Chansons D’Amour” e ele fez o arranjo no violão rapidamente, de uma forma muito natural. Eu amei fazer um disco assim, livre (e em pouco tempo).

MONDO POP- Gostaria de que você me lembrasse um pouco de suas origens, sendo filha de um brasileiro e de uma americana e tendo nascido em Washington. Foi criada lá ou aqui? E como foi essa criação em termos musicais, o que seus pais ouviam, o que você ouvia na infância e adolescência?
ALEXIA BOMTEMPO
– Eu fui criada nos Estados Unidos e no Brasil. Minha vida foi meio partida entre os dois países, foram muitas idas e vindas ao longo dos anos. Sempre me senti dividida, e as influências das duas culturas se misturam muito dentro de mim. A minha formação musical também foi assim, misturada. Em casa a gente ouvia os clássicos do Brasil (Caetano, Gil, Djavan, Tom Jobim, Gal, Rita Lee, João Gilberto) e da América do Norte (Bob Dylan, Billie Holiday, Joni Mitchell, Janis Joplin, Leonard Cohen). Meu pai era produtor cultural em Petrópolis, então tive a sorte de crescer na coxia, assistindo de perto os shows dos grandes nomes da música brasileira. Foi uma infância muito estimulante e eu sempre soube que queria fazer parte daquele mundo algum dia.

MONDO POP- Relembre um pouco suas primeiras experiências musicais, e em que momento você decidiu que esse seria o seu projeto profissional, ser uma cantora e compositora.
ALEXIA BOMTEMPO
– Durante a minha infância e pré-adolescência no Brasil, estudei teatro no Tablado. Já gostava de cantar, mas comecei no teatro. Já com 17 anos e morando nos Estados Unidos, entrei para o coral da escola e comecei a me destacar. E então resolvi abraçar a música de vez. Voltei pro Brasil, montei uma banda e toquei na noite durante um tempo. Depois, resolvi estudar canto lírico nos Estados Unidos e fiquei na faculdade por dois anos antes de voltar novamente ao Brasil. Conheci o produtor Sérgio Carvalho, que produziu minha primeira demo e depois me apresentou seu irmão Dadi – que se tornou um grande amigo, um padrinho musical e produziu meu primeiro disco, Astrolábio.

MONDO POP- O que te levou a se mudar para Nova York há quase oito anos?
ALEXIA BOMTEMPO
– Eu estava lançando o meu segundo disco I Just Happen to Be Here com canções em inglês do Caetano Veloso que me abriu algumas portas fora do Brasil. Já vinha passando umas temporadas em Nova York, sempre fui fascinada pela energia da cidade, pelo aspecto internacional da arte feita aqui e estava cultivando colaborações musicais – queria fazer parte disso. Fui convidada para tocar no Brasil Summerfest e resolvi vir com uma passagem só de ida – se a coisa fluísse, eu ficava. E assim fiquei de vez.

MONDO POP- Astrolábio foi o seu álbum de estreia, como você o encara com os olhos e ouvidos de hoje?
ALEXIA BOMTEMPO
– Acho que o Astrolábio (n.da r.: lançado em 2008 pela EMI) é um disco de descobrimento, que representa o meu encontro musical com o Dadi, um retrato da minha vida naquela época. É um disco carioca, “feito à mão”, sem pressa, com amizade e doçura.

MONDO POP- I Just Happen To Be Here foi uma bela ideia, um recorte provavelmente inédito da produção do Caetano Veloso de 1969 a 1972 em inglês em um período conturbado e criativo da vida dele. Fale um pouco sobre esse projeto e como encara a sua repercussão.
ALEXIA BOMTEMPO
– A ideia foi do Felipe Abreu, um dos produtores do disco, junto com o Dé Palmeira. O Felipe foi meu preparador vocal e se tornou um grande amigo e conselheiro. Um dia, durante uma aula, cantei London, London e ele teve a ideia de fazermos um disco com o repertório em inglês do Caetano. O conceito era buscar “despir” as canções da carga política e emocional da época em que foram feitas e trazê-las pra perto de mim, da minha história partida entre dois países, duas culturas, duas línguas. Foi um desafio muito interessante, tenho muito orgulho desse disco. E Caetano gostou da homenagem.

MONDO POP- Suspiro saiu primeiro no Japão, país que tem um público muito grande para a bossa nova. Você já tocou lá, tem bons contatos lá? E como foi a reação do público japonês para este álbum?
ALEXIA BOMTEMPO
– Tenho muito amor pelo Japão. O público me acompanha desde o início, já fiz várias turnês e residências e tenho muitos amigos queridos por lá. A ideia do Suspiro surgiu justamente quando eu estava passando uma temporada no Japão e achei muito significativo o fato de o disco ter sido lançado lá primeiro. Eles adoraram.

MONDO POP- O lançamento de Suspiro será só no formato digital ou teremos versões físicas (CD, vinil etc)?
ALEXIA BOMTEMPO
– Temos o CD nos Estados Unidos e no Japão. A ideia é fazer vinil também, mas agora as fábricas estão paradas por causa da pandemia. Então futuramente, espero que sim.

MONDO POP- Como tem sido para você esse período da quarentena? Muitos artistas tem feito lives, você pensa em fazer algo assim (se é que já não fez…)?
ALEXIA BOMTEMPO
– Tem dias que são melhores do que outros. Eu gosto de ficar em casa e tenho aproveitado o tempo pra descansar, compor, ouvir discos, cozinhar, ler… Mas a sensação de não saber como serão os próximos meses é desconcertante e causa muita ansiedade. Estar lançando um álbum novo nesse período tem sido interessante. Muita gente tem me falado que o disco acalma e traz paz de espírito, que é a trilha sonora ideal para esses tempos difíceis – isso é muito gratificante. Tenho feito lives, sim, mas aos poucos e com cuidado, pois também acho que a internet está ficando saturada de conteúdo superficial. É uma maneira bacana de se manter conectado com o público, mas sinto muita saudade da troca que acontece ao vivo, no palco.

Eles Querem Amar (clipe)- Alexia Bomtempo:

O meu 1º disco comprado foi Sea Cruise, de Johnny Rivers

johnny rivers sea cruise-400x

Por Fabian Chacur

Minha paixão por discos já passou dos 40 anos de idade, e se iniciou, como vocês já estão ficando cansados de saber, de tanto fuçar a coleção de meu irmão Victor. Mas a história de como comprei o meu primeiro disco é bem engraçada e levemente constrangedora. Vou contá-la assim mesmo.

Estava às vésperas do meu décimo aniversário, no pré-histórico ano de 1971. Mais ou menos nessa época, comecei a ganhar uma pequena mesada, que para quem não sabe é aquele dinheirinho bem básico que os pais davam aos filhos naqueles tempos para comprar lanches, revistinhas etc.

Eu já cobiçava e muito os discos do meu mano mais velho, e quando entraram alguns trocados no meu bolso, lógico que pensei em comprar eu mesmo um disquinho para mim. E fui a uma loja que existia perto de casa, a Josmar Discos, que ficava na rua Domingos de Moraes, Vila Mariana e cuja freguesa mais ilustre era Rita Lee Jones.

Todo nervoso, e junto com uma empregada bem jovem que trabalhava na minha casa (e que, infelizmente, seria logo dispensada por roubar jóias da minha mãe, que pena…), fui lá dar uma fuçada.

O estoque do Josmar não era tão legal como o de uma outra loja que abriria pouco depois, a Barlcão Discos (escrevia-se assim mesmo) na antiga galeria San Remo e que, acreditem, com outros donos e já no bico do corvo, existe até hoje por lá, na mesma Domingos e próxima ao metrô Ana Rosa.

Depois de olhar o que havia por lá e com vergonha de não comprar alguma coisa (pois eu estava doidinho para ter o meu primeiro compacto), olhei para um compacto duplo (com quatro músicas; o simples tinha duas). A capa que ilustra esse post é a desse hoje raríssimo disco.

A vantagem dos cds (abreviatura que usávamos, assim como cs era para compactos simples) era que, ao contrário da maioria dos disquinhos de duas músicas, eles sempre tinham capa.

A desse disco mostrava um cara cabeludo, barbudo e de roupa descolada cujo nome era Johnny Rivers. Lembrem-se de que estou falando do início dos anos 70, quando usar cabelo comprido e barba era um dos maiores sinais de liberdade e modernidade para um jovem.

johnny rivers sea cruise contracapa 400x

Curti tanto o visu do cara que acabei comprando esse disco, mesmo sem ouvi-lo. Queria eu ter um cabelão e uma barba daquelas, moleque suburbano que usava o visual padronizado de todos os da minha idade.

Na época, nem sabia quem era aquele cantor. O selo do disco era preto, com o símbolo da gravadora Liberty. A faixa-título do disco, Sea Cruise, foi gravada originalmente nos anos 1950 pelo seu autor, o americano Huey Piano Smith (ouça essa versão aqui), e é um rock básico demolidor.

Essa regravação ficou tão boa que provavelmente o animou a reler outra música do mesmo Huey Piano Smith em 1972, a também sensacional Rockin’ Pneumonia And The Boogie Oogie Flu (ouça aqui). Esta releitura de Rivers entrou na trilha do filme My Girl 2 (Meu Primeiro Amor 2-1994).

Nos EUA, Sea Cruise saiu apenas em compacto simples. No Brasil, essa música saiu neste compacto duplo, que trazia outras três faixas bem legais. Rainy Night In Georgia (Tony Joe White- ouça aqui), belíssima balada soul, integra o álbum Slim Slo Slider (1971).

I’m In Love Again (Fats Domino- Dave Bartholomew- ouça aqui), clássico do grande Fats Domino, foi extraída do álbum Johnny Rivers In Action! (1964).

Completa este para mim histórico compacto duplo a faixa Our Lady Of The Well (Jackson Browne- ouça aqui), balada folk lançada no álbum Home Grown (1971) escrita por um então novato Jackson Browne, que pouco depois se consagraria na cena do soft rock com hits como Doctor My Eyes, Running On Empty e muitos outros.

Só fui ter outros discos desse cantor, compositor eventual e guitarrista americano bem depois. Em 1977, sua maravilhosa balada Slow Dancing (Swain’ To The Music) estourou por aqui, integrando a trilha da novela Sem Lenço Sem Documento. Meu irmão comprou o cs, com Outside Help no lado B, que era a faixa-título do álbum dele que inclui a canção.

Dá para encarar? Um cara que hoje sabe umas duas ou três coisas sobre música (bem, acho que só umas duas, mesmo!) comprou seu primeiro compacto duplo por causa da capa. Que Mané!

Antes que você me pergunte, meu primeiro LP de vinil foi a trilha da novela O Homem Que Deve Morrer, com músicas da fantástica dupla Marcos e Paulo Sérgio Valle, que nos anos 2000 foi relançada em CD.

Sea Cruise– Johnny Rivers:

© 2022 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑