Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: kuarup (page 2 of 2)

Tiro de Misericórdia, de João Bosco, sai em CD via Kuarup

joaoboscotiromisericordia-400x

Por Fabian Chacur

A discografia de João Bosco é uma das mais consistentes e ricas da história da MPB. Por alguma razão, seu quarto trabalho, Tiro de Misericórdia (1977), lançado na época pela RCA, não estava disponível em CD. Graças à gravadora Kuarup, esse título enfim chega à era digital, e em grande estilo, com direito a encarte luxuoso com letras e ficha técnica. Um grande álbum.

Chega a ser inacreditável pensar que, de 1975 a 1977, o cantor, compositor e violonista mineiro teve fôlego para lançar três trabalhos tão bons e repletos de clássicos como Caça à Raposa (1975), Galos de Briga (1976) e o em questão Tiro de Misericórdia (1977). Era muita inspiração, pois não é qualquer um que consegue lançar tantas coisas boas em tão pouco tempo.

Tiro de Misericórdia é essencialmente um disco de samba, mas sem amarras e aberto a outras sonoridades, como música latina, chorinho, bossa nova e até um tempero pop aqui e ali. A conduzir tudo, um violão endiabrado, uma voz deliciosa e composições de João Bosco nas melodias e Aldyr Blanc nas letras. Uma dupla dinâmica!

O álbum abre com Gênesis (Parto) e fecha com Tiro de Misericórdia, duas músicas irmãs. A primeira conta o nascimento de uma criança na marginalidade, sofrendo todas as dificuldades dessa condição, e com toda a pinta de que, “oxum falou, esse promete”. A faixa título mostra o trágico fim dessa história, com o moleque virando marginal e morrendo de forma violenta. Tudo pontuado por muita percussão e ritmos de umbanda. De arrepiar, de tão atual.

Duas músicas integraram com destaque a trilha sonora do magistral Se Segura Malandro, um clássico de Hugo Carvana e na minha modesta opinião um dos melhores filmes da história do cinema nacional. A panfletária (no melhor sentido da palavra) Plataforma contagia logo nos primeiros acordes, enquanto a envolvente Vaso Ruim Não Quebra une Bosco e Cristina Buarque contando o inusitado romance entre Laurinha e Romão. Dois sambas matadores.

Ainda no quesito sambão, Jogador não fez feio nas paradas de sucesso, enquanto o lirismo fatalista marca a belíssima Falso Brilhante. E tem também o irresistível bolero sacudido Bijuterias, grande sucesso usado como abertura da novela global O Astro. E as outras faixas do álbum não deixam a peteca ir ao chão, de tão consistentes e inspiradas que são.

Além de João Bosco na voz e violão, o álbum conta com direção criativa a cargo de Durval Ferreira, coordenação artística e direção de estúdio pilotadas pelo brilhante Rildo Hora e a participação de músicos do alto gabarito de Horondino Dino Silva (violão de 7 cordas), Toninho Horta (guitarra), Pascoal Meireles (bateria), Abel Ferreira (clarinete), Raul de Barros (trombone) e Altamarinho Carrilho (flauta). Um clássico perene da MPB. Compre já!

Plataforma– João Bosco:

Vaso Ruim Não Quebra– João Bosco e Cristina Buarque:

Tiro de Misericórdia– João Bosco:

Bruna Moraes lança primeiro CD com show no Tom Jazz

Bruna_Moraes_por_Rodrigo_Ramos-400x

Por Fabian Chacur

A MPB continua se mostrando inesgotável no quesito talentos promissores que surgem. Um novo nome que se mostra especialmente interessante é o de Bruna Moraes. A cantora, compositora e violonista de apenas 19 anos mostra nesta quarta-feira (23) o repertório de seu primeiro e excelente CD, Olho de Dentro, em show que terá como palco o badalado Tom Jazz (avenida Angélica, 2.331- Higienópolis- fone 0xx11-3255-0084), com ingressos a R$ 50,00.

Quem ouve o canto denso, maduro e envolvente de Bruna Moraes dificilmente acredita que a moçoila tem apenas a idade que declarou. Com timbre de voz encantador e muito bem empregado, ela de quebra ainda se mostra compositora de assinatura própria, mesclando suas canções com algumas obras de outros autores sem perder o pique em momento algum. Belo coquetel melódico e rítmico.

Lançado pela gravadora Kuarup, verdadeira grife da música brasileira independente e atualmente com direção artística a cargo do experiente e competente Rodolfo Zanke, Olho de Dentro teve produção assinada pelo célebre contrabaixista Pedro Baldanza, cujo currículo inclui colaborações com astros do naipe de Elis Regina, Zizi Possi, Sá & Guarabira e Ney Matogrosso.

O repertório desse altamente recomendável álbum de estreia será a base do show de Bruna, incluindo músicas envolventes como Iansã, Muito Mais e Na Vazante, a bela releitura de Sem Fantasia (de Chico Buarque e com participação no CD de Lenine Guarani) e uma inédita de Taiguara, Levante de Borel. Algumas inéditas que não entraram no disco também devem estar presentes na programação do show.

Além de Bruna no vocal e violão, o show contará com Peter Mesquita (contrabaixo), Kabé Pinheiro (percussão), Tiago Gomes (teclados), Gabriel Guilherme (bateria) e Ítalo Lencker (violão), sendo este último também parceiro da cantora em canções de rara beleza como Na Vazante e Chorei Num Samba. Recomendo com muito entusiasmo!

Iansã, com Bruna Moraes:

Muito Mais, com Bruna Moraes:

Newer posts

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑