Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: música brasileira anos 1970

Patrick Adams e Paulo Diniz, duas grandes perdas na música

Patrick_Adams-400x

Por Fabian Chacur

Dois grandes músicos nos deixaram nesta quarta-feira (22). Um foi o cantor, compositor e músico pernambucano Paulo Diniz, aos 82 anos. O outro, o produtor, compositor, músico e engenheiro de som norte-americano Patrick Adams, aos 72 anos. Ambos tinham em comum o grande talento e o fato de terem vivido seus períodos de maior sucesso comercial e artístico durante a década de 1970, cada um em sua respectiva área de atuação.

Nascido em 17 de março de 1950, Patrick Adams começou a carreira fazendo arranjos musicais para artistas como Astrud Gilberto. Sister Sledge e outros, além de ter sido manager do grupo Black Ivory. Em meados dos anos 1970, mergulhou no universo da produção e composição. Um de seus primeiros êxitos foi com o projeto de estúdio Universal Robot Band, que estourou em 1977, em pleno auge da disco music.

Este grupo de estúdio fez grande sucesso no Brasil com a música Dance and Shake Your Tambourine (1977- ouça aqui), incluída na trilha da novela global Loco-Motivas (1977). Essa música, assim como o outro ótimo hit deste projeto, Freak With Me (ouça aqui), eram de autoria de Adams, além de contarem com seus arranjos. Esse trabalho atraiu a atenção de Marvin Schlachter, da gravadora Prelude Records.

Schlachter perguntou a Patrick Adams quanto tempo ele levaria para gravar um álbum disco e perguntou o preço, que foi aceito logo de cara. Em apenas três semanas, Adams deu conta do recado, incluindo compor as músicas, fazer os arranjos, arregimentar os músicos e cantores (incluindo a diva Jocelyn Brown) e se incumbir da engenharia de som. Surgia o Musique.

O álbum Keep On Jumpin’ (1978) pode ser considerado um dos grandes clássicos da era disco. Sua fantástica faixa-título é outro hit de Adams no Brasil, pois integrou com destaque a trilha sonora da novela global Pecado Rasgado (1978). Nos EUA e exterior, o principal sucesso foi outra gravação certeira, In The Bush (ouça aqui), que logo virou um clássico das pistas.

Summer Love (ouça aqui) e Summer Love Theme (instrumental- ouça aqui), no mesmo alto nível, completam o álbum. Sim, apenas quatro músicas, mas todas em versões longas, muito criativas e extremamente adequadas às pistas de dança. Tudo nelas é perfeito: as levadas rítmicas, os timbres dos instrumentos, os vocais, os arranjos… Christine Wiltshire, uma das cantoras do álbum, teve uma filha com Adams.

Com a queda da popularidade da disco music, causada principalmente por pressões homofóbicas e racistas, Patrick Adams não deixou a peteca ir ao chão, e trabalhou com artistas de rap como Eric B & Rakim, KSR-One, Mas e Salt-N-Pepa. Suas músicas também foram sampleadas por outros artistas, entre os quais o consagrado Kanye West.

Quero Voltar Pra Bahia e outros hits

Paulo Diniz nasceu em 24 de janeiro de 1940. Em meados dos anos 1960, mudou-se para o Rio de Janeiro para tentar se inserir no meio musical. Com uma inspirada mistura de soul, ritmos brasileiros e pop, ele estourou nacionalmente em 1970 com Quero Voltar Pra Bahia, uma bela, velada e contagiante homenagem a Caetano Veloso, então exilado na Inglaterra.

Não demorou a emplacar outros sucessos marcantes nas paradas de sucesso da época, entre elas O Meu Amor Chorou (de Luiz Marçal Neto- ouça aqui), Um Chope Pra Distrair (ouça aqui) e Pingos de Amor (ouça aqui), esta última regravada em 2000 com muito sucesso pelo Kid Abelha. As três últimas são composições dele feitas em parceria com Odibar (1950-2010), seu parceiro mais constante nesses seus anos de ouro.

Outra marca de sua obra foi musicar poemas de nomes ilustres como Carlos Drummond de Andrade (José), Gregório de Matos (Definição de Amor), Manuel Bandeira (Vou Me Embora Pra Passárgada) e Augusto dos Anjos (Versos Íntimos). Ele também releu clássicos alheios como Felicidade (Lupicinio Rodrigues) e Asa Branca (Luiz Gonzaga-Humberto Teixeira).

Embora sem o mesmo sucesso em termos comerciais, Diniz se manteve na ativa até o início dos anos 2000, quando parou de fazer shows devido às complicações causadas pela esquistossomose, mas se mantinha compondo e apoiava projetos que envolviam suas composições.

Keep On Jumpin’– Musique:

Banda de Pau e Corda celebra 50 anos com shows em Sampa

banda de pau e corda 400x

Por Fabian Chacur

Em 2021, a Banda de Pau e Corda quebrou um jejum de quase 30 anos ao lançar pela gravadora Biscoito Fino o álbum Missão do Cantador. Como forma de mostrar as músicas desse trabalho e principalmente celebrar seus 50 anos de carreira, o grupo surgido em Recife (PE) chega a São Paulo para shows nesta sexta (6) e sábado (7), ambos às 20h30, no Teatro Sérgio Cardoso (rua Rui Barbosa, nº 153- Bela Vista), com ingressos custando de R$ 35,00 a R$ 90,00.

A formação atual desse importante grupo inclui Sérgio Andrade (vocal), Alexandre Barros (bateria, percussão e vocal), Júlio Rangel (viola e vocal), Sérgio Eduardo (contrabaixo), Yko Brasil (flauta transversal e pífano) e Zé Freire (violão e vocal). Os dois shows marcam sua volta aos palcos paulistanos após quase 10 anos distantes da cidade.

Como atrativos adicionais bacanas, o grupo nordestino contará com duas participações mais do que especiais em seus shows em Sampa City. Na sexta (6), teremos no palco o maranhense Zeca Baleiro. No sábado (7), será a vez do paulistano André Abujamra.

O grupo pernambucano teve como inspiração Mario de Andrade e sua Missão de Pesquisas Folclóricas, buscando elementos da música do interior nordestino para criar uma obra autoral lírica, delicada e repleta de consistência artística. Eles tem canções de sucesso como Flor D’Água (tema da novela global Maria Maria) e Areia, e uma inspirada releitura de Lamento Sertanejo (de Gilberto Gil e Dominguinhos)

Missão de Cantador– Banda de Pau e Corda:

Pepeu Gomes e a filha Zabelê juntos em um single bacana

zabele e pepeu gomes 400x

Por Fabian Chacur

Após integrar por dez anos o trio SNZ com suas duas irmãs, Zabelê agora investe em uma carreira-solo, mas permanece no ambiente familiar. Seu mais recente projeto, Auê, lançado no final de 2021, mostra a moça relendo hits marcantes das carreiras de seus pais, Pepeu Gomes e Baby do Brasil, tanto nos tempos de Os Novos Baianos como em suas carreiras posteriores. E o novo single traz um dueto de pai e filha que é simplesmente delicioso, com cara de se tornar um belo hit em pleno 2022.

O single mescla duas canções distintas, Eu Também Quero Beijar, hit em 1981 do pai de Zabelê como artista solo, e A Lua e o Mar, estouro em 1989/90 que foi tema da novela global Tieta e integrou o álbum gravado em dupla por Pepeu Gomes e Moraes Moreira.

Com uma batida ainda mais dançante e combinação perfeita dos principais elementos dessas duas faixas, Eu Também Quero Beijar/ A Lua e o Mar mostra um entrosamento perfeito entre o papai orgulhoso e a filha que soube seguir os passos artísticos dele. Pra dançar até cansar.

Eu Também Quero Beijar/ A Lua e o Mar– Zabelê e Pepeu Gomes:

Antonio Carlos & Jocafi iniciam Afro Funk Brasil com um single

antonio carlos e jocafi afro funk brasil

Por Fabian Chacur

O sucesso de Antonio Carlos & Jocafi nos anos 1970 foi imenso, graças a hits certeiros e encantadores como Desacato, Mudei de Ideia, Você Abusou e Minhas Razões, entre muitos outros. Em seus LPs, a dupla baiana também investia em inovadoras e swingadas canções influenciadas pela música africana e pelo funk americano. E é relendo uma dessas faixas que a dupla inicia um novo projeto, intitulado Afro Funk Brasil.

A música resgatada por eles é Simbarerê, lançada originalmente em 1972, no álbum Mudei de Ideia. A nova roupagem conta com as participações da Orquestra de Violões do Forte de Copacabana e do cantor e compositor Russo Passapusso, e ficou sensacional, assim como o seu clipe, que mescla cenas em estúdio com registros externos nas praias e ruas do Rio de Janeiro.

A ideia desse resgate surgiu da diretora do Instituto Rudá, Márcia Melchior, que sempre gostou muito dessas faixas afro-funks dos discos de Antonio Carlos & Jocafi, várias delas muito populares entre os DJs internacionais a partir dos anos 1980 e 1990. Fica a torcida para que venha mais coisa por aí, pois essa amostra é realmente sensacional e instigante.

Simbarerê (clipe)- Afro Funk Brasil- Antonio Carlos & Jocafi:

Moraes Moreira, o criador de um inesquecível bloco do prazer

Moraes_Moreira-400x

Por Fabian Chacur

Moraes Moreira é festa. Moraes Moreira é amor. Moraes Moreira é mistura fina. Moraes Moreira é um eterno novo baiano. Moraes Moreira é inesquecível. Esse grande cantor, compositor e músico baiano nos deixou nesta segunda-feira (13) vítima de um enfarto agudo do miocárdio sofrido em seu apartamento no bairro da Gávea, no Rio de Janeiro. Ele tinha 72 anos, e deixa um legado marcante para os fãs de música. Uma verdadeira mancha de dendê que nunca sairá de nossos ouvidos, de nossas mentes, de nossas almas.

Este que é um dos grandes nomes da história da nossa música nasceu em Ituaçu, Bahia, em 8 de julho de 1947, e mostrou amor pela música desde criança. Aos 19 anos de idade, mudou-se para Salvador para estudar e por lá conheceu Tom Zé, Luiz Galvão e Paulinho Boca de Cantor. Foi com esses dois últimos que ele montou um grupo que começou a ser conhecido na cena local e logo nacionalmente em 1969, Novos Baianos.

Pouco depois acrescidos de Baby Consuelo e Pepeu Gomes, esse time inicialmente se concentrou no velho e bom rock and roll, com um certo sotaque brasileiro. Já morando no Rio de forma comunitária, eles receberam a visita de João Gilberto, e a influência do músico se mostrou evidente no antológico álbum Acabou Chorare (1972). Nele, fortes elementos da música brasileira se uniram com mais força ao rock, gerando dessa forma uma sonoridade ao mesmo tempo moderna e reverente na medida certa ao que já havia sido feito de bom no passado por outros mestres.

No grupo, Moraes sempre foi o mais ligado ao samba, frevo e outros ritmos tipicamente brasileiros, com sua voz swingada e seu violão deliciosamente dedilhado com rara categoria. Suas parcerias com o poeta Luiz Galvão e também com Pepeu Gomes geraram alguns dos maiores clássicos dos Novos Baianos, entre os quais Preta Pretinha, cantada por ele e um sucesso colossal.

Em 1975, Moraes sentiu que era hora de seguir seu próprio caminho, e deixou o grupo para investir em uma carreira-solo. Após o sucesso de uma boa releitura de Se Você Pensa (de Roberto e Erasmo Carlos), que entrou na trilha da novela global Pecado Capital, ele varreu o país todo com o estouro de Pombo Correio. Essa música ajudou a atrair a atenção do público jovem para os maravilhosos trios elétricos, como o dos pioneiros Dodô e Osmar.

Nos anos 1980, Moraes não só se consolidou como um artista de muito sucesso como também teve suas composições gravadas com muito êxito por grandes nomes da MPB, com destaque para Gal Costa, que invadiu as paradas de sucesso com duas dessas composições, as contagiantes Festa do Interior e Bloco do Prazer. Sua romântica Sintonia ganhou as rádios de todo o país lá pelos idos de 1986.

Em 1990, lançou um belo álbum em dupla com o parceiro Pepeu Gomes, Moraes e Pepeu, que emplacou o megahit A Lua e O Mar. A dobradinha renderia mais um álbum, Moraes e Pepeu Ao Vivo no Japão (1994), e seria uma espécie de prévia do sonhado retorno dos Novos Baianos, que ocorreria em 1997 com direito a um álbum duplo gravado ao vivo, Infinito Circular, e uma turnê de sucesso. O grupo voltaria a se reunir em outras ocasiões, sempre com grande repercussão.

Tive a oportunidade de entrevistar Moraes e também os Novos Baianos algumas vezes, e sua lucidez sempre se mostrava presente. Ele soube transmitir essa sabedoria para seu filho Davi Moraes, que iniciou a carreira tocando com o pai e depois soube enveredar por um trabalho próprio e também ao lado de grandes artistas como Maria Rita, Ivete Sangalo, Vanessa da Mata, Caetano Veloso e Marisa Monte, entre outros.

Bastante ativo, Moraes há pouco publicou em suas redes sociais um belo cordel (em sua própria definição) intitulado Quarentena, no qual comentava as incertezas de nossos dias atuais. Uma bela despedida para um artista que nos deixou grandes lições de brasilidade, musicalidade e poesia.

Pombo Correio– Moraes Moreira:

Feito Gente reúne remasters de dois álbuns de Walter Franco

walter franco feito gente 400x

Por Fabian Chacur

O genial Walter Franco infelizmente nos deixou em outubro de 2019 (leia mais sobre ele aqui). Como forma de resgatar momentos importante de sua carreira, a Warner Music Brasil lança nesta sexta (6) o álbum duplo Feito Gente, curiosamente disponibilizado apenas no formato físico, mais precisamente CD, algo atípico nos tempos do streaming.

Em versões remasterizadas, Tudo Bem traz o conteúdo na íntegra de dois dos mais importantes e influentes álbuns do cantor, compositor e músico paulistano que teria completado 75 anos de idade no último dia 6 de janeiro. São eles Ou Não (1973, o famoso disco da capa branca com uma mosca) e Revolver (1975).

São dois trabalhos envolventes, mesclando com total desenvoltura rock de vários teores, música experimental e ritmos brasileiros, com direito a letras concisas e profundas. Tudo isso amarrado pela voz inconfundível do artista. Cabeça, Revolver, Feito Gente e Me Deixe Mudo são alguns dos pontos altos desses discos cujo termo seminais é o mais adequado para defini-los.

Eis o conteúdo de Feito Gente:

CD 1

Feito Gente
Eternamente
Mamãe D’agua
Partir Do Alto/Animal Sentimental
Pensamento
Toque Frágil
Nothing
Arte E Manha
Apesar De Tudo É Leve
Cachorro Babucho
Bumbo Do Mundo
Pirâmides
Cena Maravilhosa
Revolver

CD 2

Mixturação
Água E Sal
No Fundo Do Poço
Pátio Dos Loucos
Flexa
Me Deixe Mudo
Xaxados E Perdidos
Doido De Fazê-Lo
Vão De Boca
Cabeça

Ouça o álbum Revolver em streaming:

Maria Alcina mostra sua marca musical em dois lançamentos

canta inezita-400x

Por Fabian Chacur

Maria Alcina tornou-se conhecida do grande público em 1972, ao interpretar de forma única e energética a música Fio Maravilha (de Jorge Ben Jor) no Festival Internacional da Canção. O Maracanãzinho ficou pequeno para aquele verdadeiro tsunami interpretativo. Desde então, a artista viveu altos e baixos em sua carreira. Ao completar 70 anos, ela se vê em um momento efervescente, como provam dois lançamentos de CDs promovidos pela Kuarup. São eles os elogiáveis Maria Alcina In Concert e Canta Inezita.

Esta cantora nascida em Cataguases (MG) impressionou desde o começo por uma voz de timbre grave e potente. Vivíamos a descoberta do glam rock, e um período no qual termos como unissex e andrógino passaram a integrar o dia-a-dia de todos. Com sua incrível capacidade expressiva e presença de palco, Alcina enveredou por alguns rumos interessantes, em termos musicais.

Além da musicalidade de Jorge Ben Jor, ela mergulhou de cabeça no resgate de clássicos antigos da música brasileira, como Alô Alô e Chica Chica Boom Chic, como se fosse uma Carmen Miranda dos novos tempos. Também levou às paradas de sucesso a endiabrada Kid Cavaquinho, de João Bosco e Aldyr Blanc.

Um lado irreverente e debochado surgiu especialmente durante os anos 1980, com canções de duplo sentido como Prenda o Tadeu e Bacurinha. Por ser uma figura difícil de ser rotulada, ela ficou durante uns bons períodos distante dos holofotes da mídia, aparecendo apenas eventualmente em programas popularescos de TV e sem ter o seu talento musical como tema.

Na década passada, foi resgatada no cenário independente e mostrou um lado pop dançante ao lado do grupo Bojo. Agora, chega a vez de dar uma geral em sua carreira, e o álbum Maria Alcina In Concert não poderia ser mais adequado. Especialmente pelo fato de unir a artista à orquestra Pops Symphonic Band, comandada pelo maestro Ederlei Lirussi e cujo objetivo é ultrapassar as barreiras entre a música erudita e a popular. A combinação não podia ter dado mais certo.

Gravado ao vivo em São Paulo no dia 25 de janeiro deste ano, o trabalho equivale a uma viagem pelo universo musical de Maria Alcina, com canções bastante representativas de sua capacidade interpretativa, como A Voz da Noite, Eu Sou Alcina (de Zeca Baleiro), Kid Cavaquinho, Tome Polca, Alô Alô, Bacurinha e o final apoteótico com dois petardos do Ben Jor, Camisa 10 da Gávea e Fio Maravilha.

Canta Inezita é uma bela homenagem à saudosa cantora, compositora, atriz, violonista, apresentadora de TV, professora e folclorista Inezita Barroso (1925-2015), uma das figuras mais importantes da história da cultura popular brasileira. Alcina, cujo timbre vocal é muito semelhante ao da homenageada, participa do álbum ao lado de Consuelo de Paula, Claudio Lacerda e As Galvão, em show gravado ao vivo em Santo André em agosto de 2018.

O repertório traz 15 músicas do universo musical de Inezita, como as icônicas Marvada Pinga, Lampião de Gás, Cuitelinho, Ronda (clássico de Paulo Vanzolini cuja primeira gravação foi da apresentadora do extinto programa televisivo Viola Minha Viola) e De Papo Pro Ar. Com ótimos músicos dirigidos por Paulo Serau, o destaque fica com a atuação impecável das Galvão, marcos da música rural brasileira. Alcina brilha, especialmente na impagável Marvada Pinga.

Esses dois belos projetos tem outra pessoa em comum, o produtor Thiago Marques Luiz (leia entrevista com ele aqui), que com sua sensibilidade e competência ajuda a resgatar grandes nomes da nossa música, vários deles esquecidos injustamente. Seu trabalho, só para variar, se mostra impecável.

Só faço uma única ressalva aos dois CDs, que possuem capas e encartes belíssimos, em embalagens digipack: a ausência de textos informativos sobre Alcina e Inezita, algo que o próprio Thiago poderia ter feito com grande propriedade. De resto, só elogios. Dois álbuns que merecem lugar nobre nas coleções dos fãs do melhor da nossa música popular.

Ouça Canta Inezita na íntegra:

Rafa Castro mostra Fronteira em show único no Sesc Vila Mariana

rafa castro-400x

Por Fabian Chacur

Mineiro radicado em São Paulo desde 2017, o cantor, compositor e tecladista Rafa Castro está lançando o seu terceiro CD. Intitulado Fronteira, o álbum conta com direção musical de Luiz Ribeiro e participações especiais de Mônica Salmaso, Teco Cardoso, Léa Freire e Neymar Dias. Ele mostra o repertório desse disco com um show neste feriadão de 1º de maio (quarta-feira) às 18h no Sesc Vila Mariana (rua Pelotas, nª 141- Vila Mariana- fone 0xx11-5080-3000), com ingressos de R$ 6,00 a R$ 20,00.

Além do próprio Rafa Castro (piano e voz), teremos em cena Igor Pimenta (contrabaixo), Gabriel Altério (bateria) e André Bordignhon (guitarra), além da participação especial da talentosa cantora Tatiana Parra. Entre outras do novo trabalho, estarão no set list músicas autorais como Casulo, Teimosa, Menino Dançante e Cacos de Vitral, além de clássicos dos repertórios de Caetano Veloso (O Quereres), Milton Nascimento (Vera Cruz) e Lô Borges (Trem Azul).

Calcado na melhor MPB e também com elementos eruditos e jazzísticos, o trabalho de Rafa Castro é repleto de delicadeza, sensibilidade e introspecção. Um belíssimo marco de sua trajetória ocorreu em 2014, quando lançou em CD e DVD Teias, trabalho feito em parceria com ninguém menos do que Túlio Mourão, tecladista brilhante que integrou os Mutantes em sua fase progressiva e tocou com gênios do porte de Milton Nascimento, Chico Buarque, Mercedes Sosa, Jon Anderson e outros, além de ter composto a belíssima trilha sonora do filme Jorge Um Brasileiro (1988), que lhe valeu um prêmio da APCA.

Fronteira, disponível em bela versão digipack com direito a encarte especial, equivale a uma viagem musical e sensorial pelos caminhos da emoção, doçura e beleza. Em tempos nos quais só se pensam em terríveis distopias apavorantes, Rafa nos oferece uma verdadeira utopia sonora, que nos cativa e até faz acreditar que um mundo melhor e mais encantador pode ser possível. Soa como possível em um trabalho desse gabarito. E isso é ainda só o começo. Esse cara promete mais, muito mais, e certamente fará. É apenas uma questão de tempo. Todos nós veremos, e ouviremos, e com muito deleite!

Ouça Fronteira na íntegra, em streaming:

Novos Baianos tem caixa com dois CDs lançada pela Warner

FACA Nr 361 LUVA 283X167

Por Fabian Chacur

Boa notícia para os fãs dos Novos Baianos que também curtem lançamentos em formato físico. A gravadora Warner Music está disponibilizando a partir desta sexta (22) Os Anos Continental- 1973-1974, caixa com dois CDs que reúne todas as faixas lançadas oficialmente pelo seminal grupo baiano durante os dois anos em que se manteve sob contrato com a extinta gravadora paulistana Continental, cujo acervo pertence desde a década de 1990 à Warner. O curioso é que a empresa anunciou o lançamento apenas no formato físico, deixando as plataformas digitais de lado, ao menos por enquanto.

O grupo integrado por Moraes Moreira, Baby do Brasil (naquela época, ainda usando o nome artístico Baby Consuelo), Pepeu Gomes, Galvão e Paulinho Boca de Cantor vinha do lançamento de Acabou Chorare (1972- Som Livre). Na Continental, eles lançaram dois álbuns. Novos Baianos F.C. (1973) é considerado um dos melhores de sua carreira, trazendo faixas bem bacanas como O Samba da Minha Terra, Sorrir e Cantar Como Bahia e Dagmar.

O trabalho seguinte, Novos Baianos (1974), tem em Linguagem do Alunte e Isabel (Bebel) os destaques. O primeiro CD da caixa inclui o LP de 1973 na íntegra, trazendo como faixas bônus Minha Profundidade e O Prato e a Mesa. O segundo CD reúne as nove faixas do álbum de 1974, além das bônus Boas Festas (clássica composição de Assis Valente, com o famoso refrão “eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel”) e No Tcheco Tcheco.

As quatro músicas adicionais incluídas neste projeto foram lançadas originalmente em dois compactos de vinil, ambos em 1973. A caixa também nos oferece encartes com as letras das músicas e textos sobre os álbuns, além das artes gráficas usadas originalmente nas capas dos discos.

Saiba quais são as músicas incluídas na box set:

CD 1

Sorrir e Cantar Como Bahia (Moraes Moreira/ Galvão)
Só Se Não For Brasileiro Nessa Hora (Moraes Moreira/Galvão)
Cosmos E Damião (Moraes Moreira/Galvão
O Samba Da Minha Terra (Dorival Caymmi)
Vagabundo Não É Fácil (Moraes Moreira/Galvão)
Como Qualquer Dois Mil Réis (Moraes Moreira/ Pepeu Gomes/Galvão)
Os Pingos Da Chuva (Moraes Moreira/Pepeu Gomes/Galvão)
Quando Você Chegar (Moraes Moreira/Galvão)
Alimente (Jorginho Gomes/Pepeu Gomes)
Dagmar (Moraes Moreira)
Minha Profundidade (Moraes Moreira/Galvão/ Paulinho)
O Prato E A Mesa (Moraes Moreira/Galvão)

CD 2

Fala Tamborim (Moraes Moreira/Galvão)
Ladeira Da Praça (Moraes Moreira/Galvão)
Eu Sou O Caso Deles (Moraes Moreira/Galvão)
Miragem (Moraes Moreira/Galvão)
Isabel (Bebel) (João Gilberto)
Linguagem Do Alunte (Moraes Moreira/Pepeu Gomes /Galvão)
Ao Poeta (Moraes Moreira/Pepeu Gomes /Galvão)
Reis Da Bola (Moraes Moreira/Pepeu Gomes /Galvão)
Bolado (Pepeu Gomes)
Boas Festas (Assis Valente)
No Tcheco Tcheco (Moraes Moreira/Galvão/Paulinho)

Ouça Novos Baianos FC em streaming:

A Noite (1979), agora quarentão, um dos melhores LPs de Ivan Lins

ivan lins a noite capa-400x

Por Fabian Chacur

Em 1979, Ivan Lins vivia um dos melhores momentos de sua carreira. Nos dois anos anteriores, lançou dois álbuns seminais pela EMI-Odeon, os excelentes Somos Todos Iguais Nesta Noite (1977- leia sobre este CD aqui) e Nos Dias de Hoje (1978- leia sobre este CD aqui), e ampliou o seu público, especialmente no circuito universitário, graças a inúmeros shows. A Noite, que chegou às lojas há 40 anos, consolidou esse período fantástico com um conteúdo repleto de emoção e denúncia social, no qual a parceria dele com Vitor Martins prosseguiu em sua trajetória rumo à excelência artística.

O show de lançamento de A Noite foi o segundo que tive a oportunidade de assistir na minha vida, no então Teatro Pixinguinha, do Sesc, em São Paulo. Certamente, marcou a minha vida, um belo presente de 18 anos que me concedi. Para alegria de alguém que ama a boa música com toda a intensidade, é ótimo constatar que este álbum continua tão maravilhoso, consistente e importante como na época. Dois temas básicos permeiam as 10 faixas: as idas e vindas das relações amorosas e o duro momento político da ditadura militar que vivíamos na época. Ambos, analisados como se estivéssemos na mesa de um bar, em uma dessas noites de solidão, esperança, sonhos e dor.

Trata-se de um disco extremamente emocional, lírico, militante, dolorido e esperançoso, ao mesmo tempo. A maravilhosa faixa título, uma balada tocante, não deixa margem a dúvidas: “A noite traz no rosto sinais de quem tem chorado demais”. A dor da separação após relacionamentos afetivos intensos é o mote para as inspiradíssimas Começar de Novo (que fez muito sucesso na voz de Simone, na abertura do seriado global Malu Mulher), Saindo de Mim e Velas Içadas. A crença em um futuro melhor dá o tom para Desesperar Jamais, dueto de Ivan com o sambista Roberto Ribeiro marcado por versos certeiros como “afinal de contas não tem cabimento entregar o jogo no primeiro tempo”.

O pianista Ivan investe no violão em Desesperar Jamais e também na engajada Antes Que Seja Tarde, na qual a letra deixa claro que a luta por tempos melhores precisava se intensificar, enquanto ainda havia tempo para melhoras. O baião-funk Formigueiro toca fundo no tema da corrupção, infelizmente atualíssimo, tanto tempo depois. Com um tempero rural, Noites Sertanejas traz a participação especialíssima de Djavan nos vocais, em um dueto iluminado. Ivan canta com linda voz e emoção à flor da pele, padrão que manteve em todo o LP.

Duas faixas são de outros autores, e se encaixam de forma perfeita na temática do álbum. Te Recuerdo Amanda, é composição inspirada do cantor e compositor chileno Victor Jara (1932-1973), morto de forma cruel e covarde nos primeiros dias da ditadura do sanguinário general Augusto Pinochet, e registra recordações de um romance de raros momentos líricos, encerrado de forma prematura e violenta por uma morte decorrente de violência. A outra, A Voz do Povo, de João do Vale e Luiz Vieira, coloca lado a lado o trabalhador que é demitido por seu ativismo e a esperança de que dias melhores virão.

Novamente, Ivan tem como braço direito o tecladista Gilson Peranzzetta, que também se incumbe dos arranjos e regências. Além de João Cortez (bateria) e Ricardo Pontes (sopros), fiéis seguidores, temos na guitarra, violão e viola o talentoso Natan Marques, conhecido por seus trabalhos com Elis Regina e Simone. Ouvir A Noite é uma experiência emocionante, e chega a ser cômico pensar que esta obra não tenha sido reverenciado como deveria pela crítica especializada na época. A magia dessas canções ultrapassou os limites do tempo e tornou-se eterna. Ouça com carinho e tente me contestar.

Ouça A Noite na íntegra em streaming:

© 2022 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑