Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Elton John lança o setentista The Diving Board

Por Fabian Chacur

Elton John é daqueles artistas raros no mundo da música pelo fato de possuir uma obra extensa e repleta de êxitos em termos artísticos e comerciais. Aos 66 anos de idade, continua mais ativo do que nunca, como prova o lançamento de mais um álbum de inéditas, The Diving Board. Pode não ser o seu melhor trabalho, mas é bastante respeitável, com direito a algumas músicas muito interessantes.

Comecemos a análise pelas peculiaridades. A primeira é a ausência dos músicos Davey Johnstone (guitarra) e Nigel Olsson (bateria), presença constante em seus álbuns desde os anos 70 e também nos shows (tocaram com ele no Brasil em seu show realizado no último mês de fevereiro, por exemplo). Em seus lugares, músicos de estúdio, entre os quais o baixista e produtor Raphael Saadiq (ex-Tony!Toni!Toné) e o guitarrista Doyle Bramhall II (conhecido por seus trabalhos com Eric Clapton).

A sonoridade do álbum remete aos discos iniciais de Elton no setor baladas, com influências de gospel e música clássica e clima ora introspectivo, ora soul que marcaram álbuns como Elton John (1970) e Madman Across The Water (1971). São músicas com menos apelo pop do que os grandes hits do astro britânico, mas consistentes e repletas de espaços para o piano.

Aliás, o ponto alto do autor de Rocket Man neste álbum é mesmo o piano, com direito a arranjos fluentes, envolventes e caprichados em cada música. O ponto negativo fica por conta da voz do mestre, que nos últimos 13 anos perdeu boa parte de sua cristalinidade dos bons tempos, tornando-se mais áspera e menos melódica, algo bem nítido, por exemplo, na faixa My Quicksand. Ao vivo, essa deficiência se mostra ainda mais evidente.

Mesmo assim, o álbum nos traz momentos muito bacanas, como A Town Called Jubilee, Take This Dirty Water, Voyeur, Home Again e Mexican Vacation (Kids In The Candlelight). Em algumas canções, os backing vocals ajudam a dar uma disfarçada no timbre “pato rouco” do Elton John atual, dando uma roupagem inclinada para a gospel music tradicional, praia em que ele sempre mostrou talento.

A edição lançada no Brasil, em belíssima capa digipack que não inclui uma única foto do músico, tem quatro faixas bônus: a inédita Candlelit Bedroom e versões ao vivo de Home Again, Mexican Vacation (Kids In The Candlelight) e The New Fever Waltz. The Diving Board é um disco à altura do mito Elton John, e certamente agradará muito seus fãs mais fieis, embora provavelmente não lhe traga novos entusiastas. Uma obra para conhecedores que se disponham a ouvir mais de uma vez para ir aos poucos descobrindo suas belas filigranas.

Veja Elton John ao vivo no Brasil em fevereiro de 2013:

2 Comments

  1. vladimir rizzetto

    October 16, 2013 at 6:53 pm

    Salve, Fabian!

    Estou muito curioso para ouvir esse disco. A julgar pelos dois últimos (e bons trabalhos) lançados por ele, vem coisa muito boa por aí.
    Pena que a voz dele já não é a mesma, mas tudo bem. Ele dá “um pau” em muito pseudo artista que tem por aí. E não são poucos…

    Abração

  2. admin

    October 17, 2013 at 8:14 pm

    Grande Vladimir!!! Se você curtiu os dois trabalhos anteriores do Elton John, dificilmente não gostará desse. É um álbum sem apelos a modernidades ou modismos e focado (a palavrinha da moda dos jogadores de futebol ehehehe) no que ele sabe fazer de melhor, que são belas canções repletas de arranjos de piano matadores, tocados pelo próprio. A voz realmente não é mais a mesma, mas ele a usa com habilidade, e é o que você disse, “dá um pau em muito pseudo artista que tem por aí”. Depois, diga-me o que achou. Abração e volte sempre!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑