Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: rock brasileiro anos 1980

Carlos Coelho, do Biquini Cavadão, lança clipe solo

carlos coelho

Por Fabian Chacur

Além de guitarrista há 35 anos do Biquini Cavadão, Carlos Coelho também é cantor, compositor, produtor e diretor de clipes, tendo também trabalhado com jingles e trilhas para filmes, TV e teatro. Ele acaba de lançar um clipe solo, We’ll Roll On, no qual canta, toca guitarra e baixo e de quebra se incumbe da produção e criação. As cenas são todas de animação, com direção de arte e motion design assinadas por Fabio Holtz e ilustrações muito legais de Otávio Bittencourt. O resultado é bastante elogiável.

We’ll Roll On foi composta em 2011 por Coelho em parceria com o neozelandês radicado nos EUA Simon Spire, que tem em seu currículo musical os álbuns All Or Nothing (2008) e Four-Letter Words (2012). Esta canção já havia sido gravada em 2014 pelo Biquini Cavadão em versão ao vivo e em português intitulada Vou Deixar Tudo Pra Traz (ouça aqui), do DVD Me Leve Sem Destino.

Coelho é acompanhado nesta gravação por Diogo Macedo (bateria) e Tay Cristelo (backing vocals), e dá à sua versão da música um clima mais de rock alternativo, sem no entanto perder a energia da gravação em português feita por sua banda. Ele tem mais de 250 composições gravadas pela sua banda e por outros artistas, além de ter participado de CDs e DVDs de Leila Pinheiro, Cidade Negra, Jammil e Uma Noites, Vinny e Buchecha, entre outros.

We’ll Roll On (clipe)- Carlos Coelho:

Ciro Pessoa, 62 anos, o eterno Pete Best dos Titãs e algo mais

ciro pessoa-400x

Por Fabian Chacur

Quase todo grupo musical de grande sucesso tem em sua história algum ex-integrante que saiu do time bem na hora em que as coisas começaram a dar certo. Essa situação pode ser rotulada como “síndrome de Pete Best”, o célebre baterista que foi mandado embora dos Beatles logo quando eles iriam gravar o seu primeiro single, em 1962. Guardadas as devidas proporções, esse foi o papel exercido por Ciro Pessoa nos Titãs. O cantor, compositor e musico paulistano nos deixou na madrugada desta terça-feira (5), possivelmente vítima da Covid-19.

Nascido em 12 de junho de 1957, Ciro integrou a formação original dos Titãs em 1981, e se manteve no grupo até 1983, quando resolveu sair para se dedicar a outros projetos. Ele, no entanto, teve músicas com sua coautoria gravadas pela banda, os hits Sonífera Ilha, Babi Indio, Toda Cor, Dona Nenê e Homem Primata, além de Sonho Com Você, que lhe renderam direitos autorais.

Ciro voltou à tona em 1987 com uma banda que ele tocava paralelamente aos Titãs, a Cabine C, que lançou seu primeiro e único disco naquele mesmo ano. O LP tem como título Fósforos de Oxford, e foi o único lançado pelo selo RPM Discos, montado pela banda de Paulo Ricardo. Com pouca divulgação e distribuição, o disco passou meio batido.

Com uma sonoridade inspirada no pós-punk de bandas como The Cure, o disco não teve uma recepção muito favorável por parte da imprensa. O crítico Marcelo Orosco Velehov fez uma resenha ácida, com direito a uma frase que dizia mais ou menos isso: “a voz monocórdia de Ciro fez com que músicas já bastante parecidas entre si soassem como a mesma”.

Posteriormente, Pessoa investiu em outros projetos, incluindo trabalhos solo como No Meio da Rua Eu Grito Help (2003), e também teve músicas gravadas pelo Ira!, além de publicar nas redes sociais opiniões políticas polêmicas, incluindo elogios a um certo Olavo de Carvalho.

obs.: valeu pelo toque em relação ao fato de o Cabine C já estar na ativa quando Ciro Pessoa ainda estava nos Titãs, meu caro Raphael Rodrigues! Correção devidamente feita!

Homem Primata– Titãs:

Magazine volta com um novo vocalista e lança Bafo de Jiboia

Magazine3_porAlineBelintani-400x

Por Fabian Chacur

Há quase três anos, mais precisamente no dia 19 de maio de 2017, o grande Kid Vinil nos deixou (leia mais sobre ele aqui). Na época, ele preparava um retorno da banda que o tornou famoso nacionalmente, a Magazine. Abalados pela perda, os outros integrantes ficaram sem ação durante um bom tempo. Agora, como forma de dar prosseguimento ao legado do grupo, eles anunciam o seu retorno, marcada pelo lançamento de um novo single.

A nova música intitula-se Bafo de Jiboia, e segue a linha irreverente e sacudida que marcou a sua fase áurea, na década de 1980. O autor é o novo vocalista, Marcelo Papini, que tem no currículo os grupos Bombom (do hit Vamos a La Playa, versão em português do sucesso mundial do grupo espanhol Righeira em 1983) e Vexame (da cantora e atriz Marisa Orth).

Marcelo se une a Duca Belintani (guitarra e produção musical), Lu Stopa (baixo) e Trinkão (bateria). A faixa faz parte de um EP que a nova encarnação do Magazine promete lançar futuramente.

Vale lembrar que este é o segundo lançamento creditado à banda que não inclui Kid Vinil. O primeiro ocorreu em 1987, quando o saudoso roqueiro saiu do time e foi substituído por Pedrinho, um single lançado pela gravadora Continental com as faixas Pegue Seu Nariz e Nellie O Elefante (versão de Nellie The Elephant, do grupo Toy Dolls). E Duca Belintani é o autor (em parceria com Ricardo Gozzi) da biografia de Kid Vinil, Kid Vinil Um Herói do Brasil (2015).

Bafo de Jiboia- Magazine:

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑