Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: steve winwood

Steve Winwood: a resenha do seu show no Brasil em 1998

steve winwood 1998-400x

Por Fabian Chacur

Se há algo desagradável para um jornalista da área musical que trabalha como frila é o fato de que, no Brasil, as publicações dessa área nem sempre duram o que seria recomendável. Quando duram alguma coisa… Por isso, boa parte do meu acervo como crítico e repórter é de difícil ou quase impossível acesso, atualmente. Sorte que eu sempre tive a mania de colecionar as minhas matérias publicadas, guardando um exemplar comigo. Sorte mesmo…

Tudo bem que eu sou um bagunceiro de primeiríssima linha, e precisaria dar uma bela e rigorosa organizada nesse meu acervo. Mas, aos poucos, tentarei fazer isso. A criação dessa série, iniciada em dezembro de 2016 (leia a primeira matéria aqui), é uma ação nesse rumo, para tentar resgatar alguns momentos importantes.

Esta resenha, por exemplo, é muito sigificativa por registrar com detalhes o show que o genial Steve Winwood fez em São Paulo, mais precisamente no dia 26 de maio de 1998 no Palace. Tente buscar alguma informação sobre essa apresentação na internet, e você provavelmente não encontrará nada. Então, resolvi resgatar a que fiz para a edição de número 17 da extinta revista Shopping Music, publicada em julho de 1998. Divirtam-se, com direito a setlist!

“Steve Winwood- Palace (SP)- 26/5/1998

Steve Winwood surgiu no universo da música pop ainda adolescente, aos 16 anos, como principal força criativa dentro do Spencer Davis Group. Desde então, o cantor, compositor e multi-instrumentista desenvolve uma carreira repleta de êxitos, quer como integrante de grupos como Blind Faith e Traffic, quer como artista-solo. Ao completar 50 anos de idade, ele finalmente se apresentou no Brasil, e mostrou que se encontra em excelente forma.

Acompanhado por uma banda extremamente coesa e talentosa, composta por nove músicos, Winwood preparou um roteiro que deu uma geral em todas as fases da carreira, abrindo e fechando respectivamente com I’m a Man e Gimme Some Lovin’, hits de sua primeira banda, o Spencer Davis Group. Durante as duas horas de apresentação, ficou clara a versatilidade do astro inglês, que tocou guitarra, teclados diversos e mandolin com a desenvoltura que só os gênios possuem. Isso, sem contar a voz forte, melódica, potente e com uma inspiração que vem de intérpretes negros como Ray Charles, um de seus ídolos.

Graças ao repertório, o clima da performance de Steve Winwood teve como marca a diversificação. O set list incluiu pop dançante em Higher Love, While You See a Chance e Familly Affair, rhythm and blues à antiga em Roll With It, rock progressivo jazzificado em Low Spark Of High-Heeled Boys (com grandes solos de todos os músicos), balada rock em Can’t Find My Way Home, latinidade em Gotta Get Back To My Baby e folk-ballad em Back In The High Life Again, só para citar alguns exemplos. O excelente Junction Seven, seu mais recente CD, foi representado por quatro músicas. Com um desempenho tão bom, o público só podia mesmo ter ficado em puro êxtase.”

Set list do show:

I’m a Man

Roll With It

Freedom Overspill

While You See a Chance

Let Your Love Come Down

Forty-Thounsand Headmen

Gotta Get Back To My Baby

Can’t Find My Way Home

Low Spark Of High-Heeled Boys

Presence Of The Lord

The Finer Things

Family Affair

Just Wanna Have Some Fun

Higher Love

BIS:

Back In The High Life Again

Gimme Some Lovin’

Veja Angel Of Mercy (live-1998)- Steve Winwood:

Old Sock é Eric Clapton solto e despretensioso

Por Fabian Chacur

Depois de passar por fases não muito favoráveis em sua vida, Eric Clapton aparentemente sossegou neste novo século em termos pessoais. Casado desde 2002 e pai de três filhas, o mestre da guitarra investiu nos últimos 15 anos em bons projetos solo e em parcerias com craques do naipe de Steve Winwood, B.B.King e J.J.Cale.

Seu novo álbum individual, Old Sock, acaba de sair no Brasil via Universal Music, e é mais uma prova de como essa vida familiar mais tranquila aparentemente está influenciando de forma positiva em seu trabalho. Trata-se de um disco ensolarado, despretensioso e no qual seu talento surge com força.

O repertório do novo álbum não inclui nenhuma música assinada pelo cantor, compositor e guitarrista britânico. São 12 faixas, sendo 10 releituras de canções de artistas como J.J. Cale, Peter Tosh, Gary Moore, George & Ira Gershwin e Taj Mahal, e duas inéditas assinadas por seu guitarrista e braço direito nos últimos tempos, o guitarrista Doyle Bramhall II.

As canções de Doyle tem como coautores o coprodutor e técnico de som do álbum, Justin Stanley, e uma figura que andava meio sumida das manchetes: a cantora Nikka Costa. Sim, a filha do saudoso maestro Dom Costa (célebre por ter trabalhado com Frank Sinatra) que estourou nos anos 80, ainda criança, com a releitura de (Out Here) On My Own, gravada originalmente por Irene Cara para a trilha do filme Fama.

Após o estouro inicial, Nikka deu uma sumida mas voltou em 1989, e passou a gravar alguns discos de repercussão moderada. Ela hoje tem 41 anos e é casada com Justin Stanley, com o qual compõe músicas para diversos artistas, incluindo Eric Clapton. Nada mal para aquela menininha de voz ardida, mas bela. Aliás, ela também marca presença no álbum fazendo backing vocals (vocais de apoio).

As duas composições do trio Bramhall/Stanley/Nikka são os momentos mais pops do trabalho, o rockão Gotta Get Over (com participação discreta da grande Chaka Khan) e o delicioso reggae Every Little Thing. Nesta última, já que falei há pouco de crianças precoces, temos os vocais (na parte final da canção) de Julie, Ella e Sophie Clapton, filhas do roqueiro britânico.

O disco flui de forma gostosa e se divide entre reggaes, baladas folk e standards da música americana. Temos outras participações bacanas, além das já citadas. Taj Mahal, por exemplo, toca harmônica e banjo no seu reggae Further On Down The Road. J.J. Cale canta e toca guitarra na balada country de sua autoria Angel.

Paul McCartney retribuiu a participação de Clapton em seu Kisses On The Bottom e canta e toca baixo no maravilhoso standard All Of Me, que ganhou nova vida na versão da dupla. E tem também Steve Winwoond arrasando no órgão Hammond B3 na elegante e sutil releitura de Still Got The Blues, maior hit de Gary Moore.

Mas a grande estrela do álbum é mesmo o seu criador. Clapton está cantando como nunca, indo do rockão de Gotta Get Over à sutileza jazzística em Our Love Is Here To Stay e The Folks Who Live On The Hill, além do folk blues em Goodnight Irene e balada country em Born To Lose. E os solos de guitarra fluem delicados e repletos de emoção e amor.

Old Sock soa um pouco como aqueles discos lançados pelo astro britânico nos anos 70, como 461 Ocean Boulevard (1974) e Slowhand (1977). Trata-se do novo trabalho de um artista genial que se sente livre para cantar e tocar aquilo que quiser, sem desejar provar nada a ninguém e em plena maturidade de seus 68 anos bem vividos.

Ouça All Of Me, com Eric Clapton e Paul McCartney:

Eric Clapton e Paul McCartney juntos de novo

Por Fabian Chacur

Em 2012, Eric Clapton participou do álbum Kisses On The Bottom, de Paul McCartney, tocando guitarra nas faixas My Valentine e Get Yourself Another Fool. Pois agora chegou a vez de o ex-beatle retribuir a gentileza no novo álbum do astro britânico.

Macca toca baixo e faz vocais em All Of Me, faixa do novo álbum do Deus da Guitarra, Old Sock, que acaba de chegar às lojas. O álbum traz apenas duas músicas inéditas, Every Little Thing e Gotta Get Over. As outras faixas são covers escolhidos a dedo pelo ex-integrante do Cream.

Compositores tão diversos entre si como Leadbelly, J.J.Cale, Peter Tosh, George Gershwin, Hank Snow e Gary More estão no repertório. Além do autor de Live And Let Die, o álbum também traz craques do rock como o ex-colega de Blind Faith Steve Winwood (teclados em Still Got The Blues), a cantora Chaka Khan (vocais em Gotta Get Over), J.J.Cale (vocais e guitarra em Angel) e Jim Keltner (bateria em Our Love Is Here To Stay).

A banda básica que acompanha Clapton no álbum é composta pelos badalados Steve Gadd (bateria), Willie Weeks (baixo) e Chris Stainton (teclados). A produção foi dividida por Clapton com Doyle Bramhall II, Justin Stanley e Simon Climie. Um dos destaques de Old Sock é a sutil e bela releitura de Still Got The Blues, maior hit do saudoso Gary Moore (1952-2011).

As faixas de Old Sock, de Eric Clapton:

01. Further On Down The Road (5:44)
02. Angel (3:54)
03. The Folks Who Live On The Hill (3:46)
04. Gotta Get Over (4:38)
05. Till Your Well Runs Dry (4:42)
06. All Of Me (3:23)
07. Born To Lose (4:03)
08. Still Got The Blues (5:55)
09. Goodnight Irene (4:23)
10. Your One And Only Man (4:31)
11. Every Little Thing (4:35)
12. Our Love Is Here To Stay (4:13)

Still Got The Blues, com Eric Clapton:

Citibank Hall (antigo Palace) fechará em março

Por Fabian Chacur

O Citibank Hall, casa de shows localizada em São Paulo que durante anos foi conhecida pelo nome Palace, anunciou através de sua assessoria de imprensa que irá fechar no dia 1º de março, após 29 anos de atividades.

A razão alegada pela empresa Time For Fun, que administrava o local há sete anos, é que o contrato de aluguel daquele espaço, pertencente à Associação Brasileira de Educação e Assistência (Abea), venceu em 2008 e não foi renovado, sendo que não houve acordo entre as partes.

A mesma nota não descarta a possibilidade de, no futuro, ser construído um novo local de shows no empreendimento comercial que dever ser erguido no local, um dos mais valorizados de São Paulo.

O antigo Palace teve sua inauguração ocorrida em 1983 na avenida Jamaris, 213, Moema, com um show de Roberto Carlos. A casa era alardeada como a primeira em São Paulo a ser construída especialmente para abrigar shows.

Tive a oportunidade de ver shows inesquecíveis naquele lugar, entre os quais destaco os de Steve Winwood (FOTO), Lou Reed, Suzanne Vega, Cazuza, Caetano Veloso, Ivan Lins e Orquestra Imperial.

O Palace viveu o seu auge entre os anos 80 e 90, perdendo espaço a partir daí com o surgimento de casas maiores como o Credicard Hall, Via Funchal e HSBC Brasil. No entanto, continuou sendo um dos locais mais agradáveis para se ver e ouvir música. Vai fazer falta…

Ouça Arc of a Diver, com Steve Winwood:

Keep On Running: 50 anos da Island Records

Por Fabian Chacur

No finalzinho dos anos 50, um jamaicano branquelo e jovem resolveu se meter na indústria fonográfica do seu país.

Quem poderia imaginar que aquela empreitada iria gerar uma das mais importantes e bem-sucedidas gravadoras de todos os tempos?

Chris Blackwell criou simplesmente a Island Records, que, sediada na Inglaterra, lançou mundialmente nomes como Steve Winwood, Cat Stevens, Bob Marley, Roxy Music, U2, Grace Jones e inúmeros outros.

O In-Edit, 3º Festival Internacional do Documentário Musical, realizado neste mês em São Paulo e no Rio, exibiu um belíssimo e conciso documentário sobre a história da gravadora.

Keep On Running : 50 Years Of Island Records (2009 -Stuart Watts) retrata de forma extremamente competente a trajetória da gravadora de Blackwell, que inicialmente surgiu com o intuito de levar a música jamaicana para o resto do mundo, partindo de Londres como base, para depois ampliar seus objetivos.

Além de conterrâneos como Jimmy Cliff e Bob Marley, o selo de Chris Blackwell também investiu no rock, no folk e no pop, sempre com o objetivo de investir em carreiras, não apenas em one hit wonders.

Isso explica, por exemplo, o porque ele não demitiu o U2 após o fracasso de seu segundo álbum, October (1981), mesmo com diversos executivos de sua gravadora apontarem para essa direção.

Bono, no documentário, afirma que isso gerou uma gratidão infinita à banda, que continua na Island até hoje e não a deixou nem mesmo quando Blackwell atrasou por meses o pagamento de royalties a eles, no final dos anos 80/início dos 90.

O mergulho do cast que a Island teve nesses anos todos é profundo, indo de Millie Small (do primeiro grande hit do selo, My Boy Lollipop (1964), até os recentes estouros de Amy Winehouse e Mika, passando por nomes consagrados como os já citados e também pelos efêmeros (porém importantes) do tipo Frankie Goes To Hollywood e The Buggles.

Blackwell vendeu a gravadora para a então Polygram (hoje Universal Music) no final dos anos 80 e se desligou completamente da empresa que criou em 1997, mas o espírito que permeou o seu projeto continua present.

Veja o trailer de Keep On Running: 50 Years Of Island Records:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑